CartaExpressa

Entidades acadêmicas saem em defesa de Pochmann, escolhido para a presidência do IBGE

O ‘desenvolvimentismo’ do economista entrou na mira de setores do ‘mercado’

O economista Marcio Pochmann. Foto: Pedro França/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

A Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e a Associação Brasileira de Estudos do Trabalho repudiaram os ataques direcionados ao economista Márcio Pochmann, escolhido pelo governo Lula para a presidência do IBGE.

De acordo com a ABET, as investidas “carecem de base técnica e de evidências empíricas” e ofendem “todo o campo de estudos econômicos que compartilha das mesmas abordagens” de Pochmann.

“A estratégia de desqualificação de condutas não contribui para elevar o nível do debate público e desinforma a sociedade a respeito das reais disputas em torno das indicações para cargos de direção institucional”, escreveu a associação.

Já a direção da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS destacou a trajetória acadêmica de Pochmann e disse reconhecer nele “um profissional competente, cujos serviços prestados à academia e à gestão pública merecem o nosso mais elevado respeito”. A nota foi assinada por dois ex-diretores e pelos atuais integrantes da diretoria, os professores André Moreira Cunha e Maria de Lurdes Furno da Silva.

A indicação de Pochmann para o IBGE foi alvo de críticas de setores do “mercado” por sua conduta “desenvolvimentista” e pela filiação ao PT, legenda da qual faz parte desde 2021.

De 2012 a 2020, ele ainda foi presidente da Fundação Perseu Abramo, eleito pelo Diretório Nacional do PT. Antes, de 2007 a 2012, presidiu o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo