CartaExpressa

Quem é Marcio Pochmann, confirmado na presidência do IBGE

O anúncio de que o economista foi escolhido partiu do ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Paulo Pimenta

O economista Marcio Pochmann. Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governo Lula confirmou nesta quarta-feira 26 a escolha do economista Marcio Pochmann para presidir o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O anúncio partiu do ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Paulo Pimenta.

De 2012 a 2020, Pochmann foi presidente da Fundação Perseu Abramo, eleito pelo Diretório Nacional do PT, partido ao qual é filiado. Ele exerceu a função por dois mandatos e foi substituído por Aloizio Mercadante. Antes, de 2007 a 2012, presidiu o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Doutor em Ciências Econômicas, Pochmann é professor titular da Universidade Estadual de Campinas desde 1989.

Ele também é autor de mais de 50 livros sobre economia e conquistou três prêmios Jabuti, por Crescimento Econômico e Distribuição de Renda (em 2008), Enciclopédia Contemporânea da América Latina e do Caribe (em 2007) e A Década dos Mitos (2002).

Na vida política, disputou duas vezes a prefeitura de Campinas, em 2012 e em 2016, mas não foi eleito. Em 2018, ele se lançou, sem sucesso, a deputado federal por São Paulo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar