Economia

‘Terei o maior prazer em atender ao presidente Lula’, diz Tebet sobre Pochmann no IBGE

A ministra anunciou que se reunirá com o economista na semana que vem e que o trabalho à frente do Instituto será técnico

A senadora Simone Tebet, fala à imprensa após reunião na residência oficial do Senado, para discutir 2ª instância - José Cruz/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, fugiu de qualquer polêmica nesta quinta-feira 27 ao comentar a indicação do economista Marcio Pochmann para a presidência do IBGE.

A confirmação sobre a escolha do presidente Lula partiu do ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Paulo Pimenta, na quarta 26.

“Nada mais justo que atender ao presidente, independentemente do nome. Acataremos qualquer nome que venha. Agora eu sei o nome dele e terei o maior prazer em atender ao presidente Lula”, afirmou Tebet. “Não faço pré-julgamentos.”

Tebet anunciou que se reunirá com Pochmann na semana que vem e que o trabalho do novo comandante do IBGE será técnico. Ela também afirmou não se importar com o passado do economista e reforçou que ele será bem-vindo pela equipe.

De 2012 a 2020, Marcio Pochmann foi presidente da Fundação Perseu Abramo, eleito pelo Diretório Nacional do PT, partido ao qual é filiado. Ele exerceu a função por dois mandatos e foi substituído por Aloizio Mercadante. Antes, de 2007 a 2012, presidiu o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Doutor em Ciências Econômicas, Pochmann é professor titular da Universidade Estadual de Campinas desde 1989.

Ele também é autor de mais de 50 livros sobre economia e conquistou três prêmios Jabuti, por Crescimento Econômico e Distribuição de Renda (em 2008), Enciclopédia Contemporânea da América Latina e do Caribe (em 2007) e A Década dos Mitos (2002).

Na vida política, disputou duas vezes a prefeitura de Campinas, em 2012 e em 2016, mas não foi eleito. Em 2018, ele se lançou, sem sucesso, a deputado federal por São Paulo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo