CartaExpressa

Dez condenados e suspeitos pelo 8 de Janeiro quebraram tornozeleiras e fugiram do País, diz site

Fugitivos têm como destino a Argentina e o Uruguai

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Pelo menos dez pessoas condenadas ou investigadas por participação nos ataques golpistas do 8 de Janeiro já quebraram as tornozeleiras eletrônicas e fugiram do País. A informação foi revelada nesta terça-feira 14 pelo site UOL

Segundo a publicação, 51 pessoas suspeitas de participação nos atos quebraram as tornozeleiras eletrônicas. Esse grupo é composto por pessoas com mandados de prisão em aberto.

Desse total, pelo menos dez fugiram do Brasil através das fronteiras de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O principal destino, segundo a reportagem, seria a Argentina e o Uruguai.

Os números foram obtidos a partir de registros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Fontes ligadas aos fugitivos, como familiares, também confirmaram as informações.

Dos dez que saíram do Brasil, sete foram condenados pela Suprema Corte a mais dez anos de prisão por participação na tentativa de golpe de Estado.

Um deles é Daniel Bressan, que, mesmo fugido, utiliza as redes sociais para fazer campanha de arrecadação de fundos para financiar o que ele mesmo chama de “exílio político”.

A publicação também aponta que ainda não há alerta da Interpol pelos fugitivos ao exterior. O STF também não comentou o caso. Já as polícias civis de SC e RS dizem que não foram solicitadas a fazer buscas pelos fugitivos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar