CartaExpressa

Bolsonaro aciona o STF mais uma vez para afastar Moraes de investigação sobre trama golpista

O presidente do Supremo, Luís Roberto Barroso, rejeitou o pedido original. A defesa quer levar o caso ao plenário

Jair Bolsonaro e Alexandre de Moraes. Foto: Antonio Augusto/TSE
Apoie Siga-nos no

A defesa de Jair Bolsonaro (PL) não desistiu da tentativa de retirar o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, da relaotria de investigações contra o ex-presidente. O pedido original foi rejeitado por Luís Roberto Barroso em 20 de fevereiro.

Agora, os advogados do ex-capitão pedem que o tema seja votado pelo plenário da Corte, caso Barroso não aceite reverter a ordem original. A defesa também busca anular atos de Moraes na apuração sobre a trama golpista de 2022 – em 8 de fevereiro, Bolsonaro foi um dos alvos da Operação Tempus Veritatis, da Polícia Federal.

Ao negar o primeiro pedido da defesa pelo impedimento de Moraes, o presidente do STF argumentou que “não houve clara demonstração” de razão legal. Ele avaliou que os fatos narrados “não caracterizam, minimamente, as situações legais que impossibilitam o exercício da jurisdição pela autoridade arguida”.

Uma das alegações do ex-presidente é que Moraes seria pessoalmente interessado na investigação, já que a PF apontou um plano “que teria como episódio central a prisão do próprio ministro, na oportunidade já presidente do Tribunal Superior Eleitoral”.

Com o aval de Moraes, a PF apura, em tese, os crimes de organização criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado, supostamente cometidos para manter Bolsonaro no poder mesmo após perder a eleição para Lula (PT).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar