CartaExpressa

STF envia à Justiça Eleitoral investigação contra Ricardo Coutinho, ex-governador da Paraíba

A 2ª Turma da Corte chancelou por 3 votos a 2 uma ordem do ministro Gilmar Mendes

O ministro Gilmar Mendes, decano do STF. Foto: Carlos Moura/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal negou um recurso do Ministério Público Federal contra a decisão do ministro Gilmar Mendes de enviar à Justiça Eleitoral da Paraíba uma investigação contra o ex-governador Ricardo Coutinho.

A denúncia decorreu da Operação Calvário, deflagrada para apurar uma suposta organização criminosa cujo objetivo seria desviar recursos públicos estaduais por meio de organizações sociais.

Em julgamento no plenário virtual finalizado em 26 de abril, os ministros Dias Toffoli e Kassio Nunes Marques acompanharam Gilmar. Ficaram vencidos Edson Fachin e André Mendonça.

Conforme o entendimento majoritário, caberá à Justiça Eleitoral confirmar ou não a validade dos atos processuais já realizados pela Justiça comum da Paraíba.

Gilmar Mendes enfatizou que a acusação contra Coutinho se baseia em condutas que, em tese, configurariam falsidade ideológica eleitoral. O decano do STF acrescentou ser responsabilidade da Justiça Eleitoral apurar e processar crimes eleitorais conexos a quaisquer outros delitos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.