Mundo

UE abre investigação contra Instagram e Facebook sobre desinformação eleitoral

Esta é a quinta investigação oficial iniciada pela Comissão Europeia no âmbito da entrada em vigor da nova Lei de Serviços Digitais

Foto: Lionel BONAVENTURE / AFP
Apoie Siga-nos no

A Comissão Europeia, o Executivo da UE, abriu uma investigação nesta terça-feira (30) contra as redes sociais Instagram e Facebook, suspeitas de não respeitarem suas obrigações na luta contra a desinformação antes das eleições europeias de junho.

Vários líderes políticos expressaram preocupação com a possível manipulação de opiniões por parte da Rússia.

“Esta Comissão adotou as ferramentas para proteger os cidadãos europeus da desinformação e da manipulação por parte de terceiros países”, afirmou a presidência da instituição.

“Se suspeitamos de uma violação das regras, atuamos. É sempre assim, mas especialmente em um período de eleições”, acrescentou.

Esta é a quinta investigação oficial iniciada pela Comissão Europeia no âmbito da entrada em vigor da nova Lei de Serviços Digitais, no ano passado, para lutar contra os conteúdos e produtos online ilegais.

“Iniciamos o procedimento contra a (empresa matriz) Meta para garantir que sejam adotadas medidas eficazes, em particular para impedir que as vulnerabilidades do Instagram e do Facebook sejam exploradas por interferências estrangeiras”, declarou o comissário europeu para o Mercado Interno, Thierry Breton.

Na opinião da União Europeia, a Meta modera “de forma insuficiente” a publicidade e critica a divulgação de um grande número de anúncios que “representam um risco para os processos eleitorais”, afirmou. E mencionou especialmente “campanhas publicitárias relacionadas com a manipulação de informação do exterior”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo