Mundo

Netanyahu ‘rejeita com desgosto’ ordem de prisão solicitada ao TPI

Primeiro-ministro de Israel acusou ainda o TPI de antissemitismo

Benjamin Netanyahu (Foto: AFP)
Apoie Siga-nos no

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou, nesta segunda-feira 20, que “rejeita com desgosto” a ordem de prisão solicitada contra ele por um procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI), simultaneamente a outras demandadas contra autoridades do movimento islamista palestino Hamas.

“Como primeiro-ministro de Israel, rejeito com desgosto a comparação feita pelo procurador de Haia entre Israel”, um país “democrático”, e “os assassinos em massa do Hamas”, disse o premiê israelense em um comunicado.

“Como se atreve a comparar os monstros do Hamas com os soldados de Tsahal [o Exército israelense], o mais moral do mundo?”, disse, opinando que se trata de uma “completa distorção da realidade”.

“É exatamente assim que se parece o novo antissemitismo: ele passou dos campi do Ocidente para a Corte em Haia. Que vergonha!”, afirmou o dirigente israelense.

Nesta segunda-feira, o procurador do TPI Karim Khan declarou que havia solicitado mandados de prisão contra Netanyahu e seu ministro da Defesa, Yoav Gallant, por supostos crimes como “matar deliberadamente de fome civis”, “homicídio intencionado” e “extermínio”.

Também pediu ordens de captura contra o chefe do Hamas em Gaza, Yahya Sinwar; o chefe do movimento palestino, Ismail Haniyeh, e contra Mohammed Deif, chefe das brigadas Ezzedine al Qassam, braço armado do Hamas, por supostos crimes contra a humanidade como “extermínio”, “assassinato, estupro e outras formas de violência sexual”, além de tortura e outros atos desumanos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo