Mundo

cadastre-se e leia

Deputado do PT defende frente internacional para combate a fake news

Para Rogério Correia (MG), o movimento da extrema-direita gera ‘discórdia’ e provoca um ‘caos’ em diversos países

O deputado federal Rogério Correia em evento dos 30 anos de CartaCapital, em Brasília, em 14 de maio de 2024. Foto: Divulgação/CartaCapital
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Rogério Correia (PT-MG) defendeu uma frente internacional antifascista para tentar evitar a repetição de ataques golpistas como o de 8 de Janeiro de 2023, no Brasil, e o de 6 de Janeiro de 2021, nos Estados Unidos.

A declaração foi proferida em entrevista à reportagem na terça-feira 14, em Brasília, durante a primeira rodada de um ciclo de debates promovido por CartaCapital para celebrar seus 30 anos.

Correia, que integrou a CPMI do 8 de Janeiro, também disse ter “esperança” de que o Congresso Nacional retome a discussão sobre alguma forma de regulamentar as redes sociais. Em abril, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), anunciou a criação de um grupo de trabalho para debater o tema, uma decisão que feriu de morte o PL das Fake News.

Segundo o deputado petista, o Parlamento “não pode ficar longe do País”, em especial no momento em que notícias falsas sobre o Rio Grande do Sul atrapalham, em sua avaliação, o trabalho de resgate em meio às enchentes que castigam o estado.

“Não me estranha, partindo do bolsonarismo esse tipo de atitude”, disse Correia. “Estive recentemente em Washington, antes de a delegação dos bolsonaristas ir para lá espalhar fake news de que o Brasil vive em uma ditadura. Estamos, inclusive, para fazer o lançamento de uma frente democrática antifascismo, um apelo internacional para isso. O método é o mesmo e talvez o principal seja espalhar fake news, discórdia e desunião. Isso leva a um caos, no Brasil e em vários países.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo