CartaExpressa

Comissão Eleitoral da Índia manda e X derruba publicações de políticos

A rede social anunciou ter restringido as postagens até o fim do período eleitoral no país

O mais espalhafatoso dos extremistas do Vale do Silício – Imagem: Dimitrios Kambouris/Getty Images/AFP
Apoie Siga-nos no

A Comissão Eleitoral da Índia determinou que o X (ex-Twitter), do bilionário Elon Musk, retirasse do ar determinadas postagens de políticos e partidos. A plataforma cumpriu a decisão.

“Em conformidade com as ordens, nós restringimos essas publicações pelo restante do período eleitoral. Discordamos, porém, dessas ações e sustentamos que a liberdade de expressão deve se estender a essas publicações e ao discurso político em geral”, publicou nesta terça-feira 16 o perfil da equipe de relações governamentais do X.

“Notificamos os usuários afetados e, em nome da transparência, publicamos aqui as ordens. Pedimos que a Comissão Eleitoral publique todas as ordens para derrubar conteúdos daqui em diante.”

No Brasil, por outro lado, Musk deflagrou uma campanha contra o Supremo Tribunal Federal (STF), especialmente contra o ministro Alexandre de Moraes, por decisões que levaram à suspensão de perfis. Além de atacar o magistrado, a quem chamou de “ditador”, o empresário indicou que poderia não cumprir determinações da Corte.

A onda de ofensas a Moraes e ao STF levou Musk a se tornar uma espécie de “herói” para a extrema-direita brasileira.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar