Política

Vídeo: Alckmin é tietado em conferência do PT sobre eleições municipais

O vice-presidente posou para fotos com diversos eleitores petistas, mas pode estar em lado oposto ao do PT em algumas disputas municipais

O vice-presidente Geraldo Alckmin foi tietado em evento do PT em Brasília. Foto: Victor Ohana/CartaCapital
Apoie Siga-nos no

O vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) foi tietado por diversos eleitores petistas durante a conferência eleitoral do Partido dos Trabalhadores sobre as disputas municipais de 2024, realizada em Brasília na noite da sexta-feira 9.

Em um vídeo de dois minutos gravado por CartaCapital, o ex-tucano aparece em uma sequência de poses para fotos com dezenas de participantes da plateia, à frente do palanque, após o evento.

Um dos eleitores do PT chega a berrar pelo nome de Alckmin para solicitar a sua atenção. É possível ouvir, também, algumas pessoas chamando o vice-presidente em forma de coro: “Geraldo! Geraldo!”.

“Mais uma foto com esse rapaz de preto aqui!”, solicitou outro homem.

Entre os tietes, estavam, ainda, pré-candidatos a prefeituras e a câmaras municipais pelo PT.

“Presidente, candidata mulher, aqui ó, prefeita”, diz um homem ao pedir uma foto com o vice-presidente. “Sorriso de vocês aí, vai. Aí!”, celebrou ele, em seguida.

A Conferência Eleitoral do PT marcou a retomada do “modo campanha” do partido para o pleito em 2024. As legendas têm até agosto para registrar as candidaturas.

A conferência prossegue neste sábado e neste domingo com debates entre autoridades sobre diferentes temas.

Apesar de ter marcado presença no evento de abertura, Alckmin pode estar de lado oposto ao PT em mais de uma disputa municipal, inclusive em capitais importantes.

Em São Paulo, o PT oficializou o apoio à candidatura de Guilherme Boulos (PSOL) à prefeitura.

Já Alckmin, que foi governador de São Paulo por três mandatos pelo PSDB, atualmente é filiado ao mesmo partido de Tabata Amaral (PSB), também pré-candidata ao mesmo cargo.

Em evento no fim de outubro, o ex-tucano chegou a dizer que Tabata é “a verdadeira mudança”.

“Eu não tenho dúvida de que nós, do PSB, vamos representar a mudança”, declarou Alckmin, na ocasião.

No município de São Bernardo do Campo (SP), o PT tem Luiz Fernando Ferreira como pré-candidato.

Do outro lado, o PSB pretende lançar Marcelo Lima, que se filiou à legenda e perdeu o mandato de deputado federal por infidelidade partidária, na esperança de concorrer à administração do município.

Na capital da Paraíba, João Pessoa, o governador João Azevêdo (PSB) apoia Cícero Lucena (PP), enquanto o PT tem Luciano Cartaxo como pré-candidato.

Alckmin não respondeu ao questionamento de CartaCapital sobre sua postura em São Paulo. O vice-presidente também não esclareceu se fará campanha em alguma disputa.

A conferência teve a participação do presidente Lula (PT), da primeira-dama Janja da Silva, da presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, e de ministros, governadores e parlamentares petistas.

Em discurso, Lula demonstrou preocupação sobre o diálogo das candidaturas do PT com a população evangélica. Além disso, afirmou que as disputas de 2024 reeditarão a polarização com Jair Bolsonaro (PL).

A plateia reunida no Centro de Convenções Ulysses Guimarães totalizou cerca de 2,5 mil pessoas, segundo organizadores. Havia estandes espalhados com propagandas de municípios cujas prefeituras são petistas, como Maricá (RJ), de Fabiano Horta, e Juiz de Fora (MG), de Margarida Salomão.

Em 2020, o PT elegeu prefeitos em 183 municípios, mas não venceu em nenhuma capital. Com filiações desde então, o partido hoje detém 227 prefeituras entre os 5.568 municípios brasileiros, segundo o PoderData.

A sigla tem menos prefeitos que PSD, MDB, PP, União Brasil, PL, PSDB, PSDB, PDT e Republicanos. Para a próxima eleição, a previsão do partido é ter até 13 candidatos próprios em capitais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.