Política

Benedita descarta candidatura a prefeita do Rio e diz exercer último mandato como deputada

Hoje aos 81 anos, parlamentar concorreu à Prefeitura carioca na última eleição municipal

A deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ). Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

A deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ) descartou a possibilidade de se candidatar à Prefeitura do Rio de Janeiro e informou que o seu atual mandato parlamentar é o último.

A declaração ocorreu durante conferência eleitoral do PT em Brasília, nesta sexta-feira 8. O evento marcou a abertura do “modo campanha” do partido para as eleições municipais de 2024.

Questionada por CartaCapital se considera estar no páreo no ano que vem na capital fluminense, a petista indicou que deve se aposentar: “Eu? Olha, é o meu último mandato e basta”.

Hoje aos 81 anos, a Benedita foi candidata à Prefeitura do Rio de Janeiro na eleição de 2020. A petista ficou em 4º lugar, com 11,2% dos votos, que representaram 296.847 eleitores.

A então candidata ficou atrás de Eduardo Paes (PSD), vencedor da eleição, de Marcelo Crivella (Republicanos), derrotado na tentativa de reeleição, e, por menos de mil votos, de Martha Rocha (PDT).

Benedita foi deputada federal pela primeira vez em 1987 e já exerceu os cargos de governadora do Rio de Janeiro, de senadora e de ministra da Assistência e Promoção Social.

Durante a conferência, o presidente Lula (PT) destacou a presença de Benedita e a sua interlocução com a comunidade evangélica, enquanto ressaltava a dificuldade do partido para dialogar com essa parcela da população. A deputada coordena um setor do PT voltado a esse núcleo religioso.

Para a eleição no ano que vem, Paes deve tentar ser reconduzido ao cargo. Há negociações para que o PT apoie a sua candidatura, mas a posição não está confirmada.

Os outros pré-candidatos são o general e ex-vice-presidente Walter Braga Netto (PL), Eduardo Pazuello (PL), Dr. Luizinho (PP), Tarcísio Motta (PSOL) e Renata Souza (PSOL).

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo