Política

PT deverá ter até 13 candidatos em capitais e participação de Lula em 2024, diz senador

Diante polarização, campanha das eleições municipais deve contar com atuação do presidente, segundo Humberto Costa, coordenador do grupo de trabalho eleitoral do partido

Humberto Costa, presidente da CDH discursa no Senado. Foto: Waldemir Barreto/ Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) deve participar ativamente das campanhas do PT na eleição municipal em 2024, segundo o senador Humberto Costa (PT-PE), coordenador do grupo de trabalho eleitoral do partido. 

“Naqueles municípios onde a polarização claramente seja entre a extrema-direita e o conjunto de forças de centro e de centro-esquerda, acredito que ele vai estar presente”, disse Costa em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, divulgada na sexta-feira 24. 

“Em outros lugares, esse campo é um pouco minado. Eu acho que o partido vai participar fortemente, os ministros que são do PT ou do campo que se organiza ali, mas talvez o presidente deixe para se manifestar num segundo turno”, completou. 

Para a prefeitura de São Paulo, por exemplo, a sigla já oficializou o apoio ao candidato do PSOL, Guilherme Boulos, com endosso do ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha

Nossa meta genérica é termos um desempenho muito melhor do que aquele que tivemos em 2020, que foi, de certa forma, o fundo do poço em termos de participação eleitoral do PT em eleições municipais”, declarou.

O senador afirmou que o partido deverá ter até 12 ou 13 candidatos a prefeito em capitais, a depender dos resultados das conversas com siglas aliadas.

Costa ainda disse que haverá uma reunião do grupo de trabalho com o presidente da República em dezembro ou no começo do ano que vem para discutir como será a participação do chefe do governo federal nas campanhas.

“Onde houver um grau de unidade dentro do partido, ou juntamente com a federação e os outros partidos do campo da centro-esquerda, eu tenho a convicção de que esse eventual candidato ou candidata terá um tratamento diferenciado do presidente Lula antes e durante a campanha. A nossa discussão deverá ser exatamente que lugares serão esses”, afirmou. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo