Política

‘Sei que o Brasil não estará bem com ele’, diz Bolsonaro sobre Moro

‘Parece recalque’, comentou o presidente sobre aliança do seu ex-ministro com outros ex-aliados, como Mandetta e Santos Cruz

O presidente da República, Jair Bolsonaro, e o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, denunciante da interferência. Foto: Isaac Amorim/MJSP
O presidente da República, Jair Bolsonaro, e o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, denunciante da interferência. Foto: Isaac Amorim/MJSP

O presidente Jair Bolsonaro criticou a pré-candidatura de Sergio Moro (Podemos), seu ex-ministro, para concorrer às eleições de 2022. Para o ex-capitão, o ex-juiz, que ficou mais de um ano no seu governo, é ‘despreparado’ e se aproxima de outros ex-bolsonaristas por ‘recalque’.

As declarações foram dadas em entrevista à RedeTV! logo após a filiação do general Santos Cruz, ex-ministro da Secretaria de Governo, ao Podemos, e o anúncio de possível aliança entre o partido e o União Brasil que pode gerar uma chapa entre Moro e o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

“O Sergio Moro não consegue conversar com as pessoas e outra [ele] está juntando ex-ministros meu, parece um recalque”, disse. “Não vou desejar boa sorte porque sei que o Brasil não estará bem com ele, mas o que acontecer, que o povo decidir, as consequências o próprio povo vai sentir”, acrescentou.

Bolsonaro voltou a dizer que ainda não sabe se será candidato à reeleição em 2022. Em ‘sinais trocados’, no entanto, afirmou que participará dos debates eleitorais no ano que vem. A participação estaria condicionada, porém, a não ter perguntas sobre seus filhos ou sobre sua família. Três dos seus cinco filhos são políticos envolvidos em suspeitas de corrupção e outras irregularidades.

“Se porventura eu vir a ser candidato é para não deixar que a esquerda volte para o poder, porque se voltar será o fim de todos nós”, alegou.

Mentiras de sempre

Na entrevista à emissora bolsonarista, o presidente também voltou a repetir as mesmas mentiras contadas recentemente. A primeira é de que a inflação não seria culpa do seu governo, mas sim de políticas de isolamento para conter a pandemia e que, ainda assim, o Brasil teria sido o País que menos sofreu economicamente no período. A segunda mentira contada por Bolsonaro é de que a Amazônia não pegaria fogo por ser uma floresta úmida.

As duas afirmações já foram amplamente rechaçadas por especialistas. O Brasil tem um dos piores desempenhos econômicos do G20 e diversos estudos apontam que o lockdown não é responsável pela recessão econômica, pelo contrário, contribui para uma retomada mais rápida. Sobre a Amazônia, dados oficiais do Inpe mostraram que, só em 2020, foram registrados mais de 100 mil focos de incêndio no bioma.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!