Política

O que a campanha de Lula espera do debate da Globo nesta sexta-feira

A dois dias da eleição, o confronto direto é uma das últimas oportunidades de Bolsonaro se aproximar nas intenções de voto

Foto: Ricardo Stuckert e EVARISTO SA / AFP
Apoie Siga-nos no

A campanha do ex-presidente Lula (PT) defende que o debate da TV Globo, na noite desta sexta-feira 28, tem maior potencial de causar estragos na candidatura do presidente Jair Bolsonaro (PL) do que na do petista.

A dois dias da eleição, o confronto direto é uma das últimas oportunidades do ex-capitão de se aproximar de Lula nas intenções de voto. Pesquisa Datafolha, divulgada na quinta-feira 27, mostra o ex-presidente com uma vantagem de 5 pontos percentuais: ele com 49% e Bolsonaro com 44%.

O cenário se repete em outros levantamentos, como o da Atlas Político, que dá ao petista uma diferença favorável de 6,4 pontos. Os institutos Ipespe e Ipec também confirmam a liderança do ex-presidente.

Com o objetivo de se preparar para o debate de hoje, Lula não participou de nenhuma agenda fora de São Paulo nos últimos dias.

“Não há nenhum temor [com o debate]”, afirmou o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, um dos coordenadores da campanha de Lula em contato com CartaCapital nesta semana. “É a chance da gente reforçar algumas ideias que são importantes e reforçar algumas marcas negativas do adversário”.

O que o aliado petista define como “marcas negativas do adversário” tem a ver com a avaliação que a campanha do ex-presidente faz sobre o não crescimento de Bolsonaro na reta final da eleição.

Correligionários de Lula consideram que a declaração de Bolsonaro sobre ‘pintou um clima’ com garotas venezuelanas, a notícia de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, pretende acabar com a correção do valor do salário mínimo e o episódio do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) impediram qualquer evolução do presidente nas intenções de voto. Na Globo, o petista deve mencioná-los.

“[O debate] tem potencial de causar estrago na campanha do nosso adversário”, acrescenta Medeiros. “Na nossa não tem nenhum nenhum”.

A repercussão negativa do estudo sobre o salário mínimo foi tamanha entre apoiadores de Bolsonaro que o presidente escalou o próprio Guedes para contrapor as declarações de aliados de Lula. O titular da pasta da Economia chegou a gravar vídeos em que trata de emprego, aposentadorias, pensões e Auxílio Brasil.

“A ofensiva da campanha de Lula sobre pautas econômicas que aprofundaram o sofrimento do povo brasileiro, como a proposta de congelar definitivamente o salário mínimo e a possível volta do aumento do preço de gasolina após as eleições, além do engodo do crédito consignado do Auxílio estancou o crescimento após o primeiro turno”, avalia o deputado federal Alexandre Padilha.

Lula tem usado as últimas entrevistas antes da eleição para reforçar assuntos ligados à economia, algo que não ocorreu na maior parte do período eleitoral já que Bolsonaro conseguiu direcionar as discussões para pautas morais, religiosas e de comportamento.

Na quinta-feira 27, o ex-presidente, sem dar detalhes, ressaltou que pretende promover uma reforma tributária que cobre impostos dos mais ricos e isente os mais pobres. Foi um indício do que esperar de Lula, que vai priorizar a criação de empregos e combate à fome quando falar de economia no debate de hoje.

Regras do confronto

De acordo com a TV Globo,  o debate, que começa às 21h30, terá quatro blocos. Dois deles com temas livres e outros dois com assuntos determinados:

1º bloco: 30 minutos de debate com tema livre. Lula e Bolsonaro terão que administrar o tempo de 15 minutos para perguntas, respostas, réplicas e tréplicas;

2º bloco: 20 minutos de debate com temas determinados, sendo dividido em duas rodadas de 10 minutos. Cada candidato terá direito a escolher um tema definido pela emissora. Os adversários terão 5 minutos de fala para cada uma das rodadas;

3º bloco: mais 30 minutos de debate com tema livre. O ex-presidente e o candidato à reeleição terão que administrar o tempo de 15 minutos para perguntas e respostas;

4º bloco: mais duas rodadas de 10 minutos com temas definidos. Ambos terão direito a 1 minuto e 30 segundos cada para considerações finais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo