Política

Governo Lula já pagou R$ 619 milhões em emendas aos municípios do RS

Dinheiro é destinado para gastos como auxílio emergencial, cesta básica, gasolina e reconstrução

O presidente Lula. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O governo Lula (PT) anunciou já pagou 619,3 milhões de reais em emendas para o Rio Grande do Sul até esta sexta-feira 10. O volume de recurso representa 97,3% do montante autorizado 636,5 milhões de reais.

Emendas são propostas por meio das quais os parlamentares influenciam na alocação de dinheiro público. Existem três modalidades de emenda: individual, de bancada estadual e de comissão.

O dinheiro é destinado para gastos como auxílio emergencial, cesta básica, gasto com gasolina, reconstrução e limpeza de vias e pontes de até 10 metros, além de repasses fundo a fundo para saúde e assistência social.

O governo também anunciou que abrirá uma janela de remanejamento para que parlamentares apontem recursos para Defesa Civil, Saúde e Assistência Social no estado gaúcho.

O remanejamento pode ser feito por parlamentares do Rio Grande do Sul – que podem mudar a destinação das emendas já apresentadas – ou por parlamentares de outros estados.

Ao todo já foram aprovados 124 planos de trabalho para apoio aos municípios do Rio Grande do Sul afetados pelas fortes chuvas.

Balanço

Até o momento, 441 cidades de um total de 497 foram atingidas pelas consequências do evento climático extremo que afetou 1,9 milhão de pessoas, segundo boletim da Defesa Civil divulgado às 18h desta sexta-feira 10.

Até o momento, 340 mil pessoas estão desalojadas. Desse total, 71,4 mil estão em abrigos. Há a confirmação de 126 mortes e 756 feridos. Há ainda 141 pessoas desaparecidas no estado.

As forças de segurança, com auxílio de voluntários, conseguiram resgatar 70,8 mil pessoas e 9,9 mil animais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo