Economia

Lula promete reforma tributária em novo governo: ‘Quem ganha mais tem responsabilidade de pagar mais’

O petista reconhece que terá resistências para aprovar proposta no Congresso, mas diz que, com apoio popular, é possível

Foto: Ricardo Stuckert
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Lula (PT) prometeu, nesta quarta-feira 26, promover uma reforma tributária que cobre impostos dos mais ricos e isente os mais pobres caso seja eleito para um terceiro mandato. Os detalhes foram dados em entrevista à rádio Mix de Manaus.

“Vamos fazer uma pequena reforma tributária onde os mais ricos pagarão mais impostos e quem ganha menos não vai pagar. Quem ganha até 5 mil reais não pagará imposto de renda, essa é uma proposta nossa”, destacou Lula em uma das suas respostas sobre o tema.

O petista explicou que as mudanças são necessárias para equilibrar as rendas no País e ampliar os benefícios sociais para quem mais precisa. “Se formos eleitos, vamos manter 600 reais e mais 150 reais por criança até 6 anos de idade”, disse ao defender a proposta de reforma tributária.

Mais adiante, Lula retornou ao tema, novamente afirmando que é preciso taxar grandes fortunas. Na resposta, reconheceu que enfrentará resistência no Congresso Nacional, mas que, se o tema tiver adesão popular, poderá ser aprovado com mais facilidade.

“Chegou a hora [de taxar as grandes fortunas]. Sempre é a hora. O problema é que você tem a maioria do Congresso Nacional que não quer, porque a maioria que está lá são pessoas que tem, de certa forma, posses. Não são pessoas pobres que estão dentro do Congresso, pode ter dois ou três pobres, mas a maioria são de classe média, alta e alguns muito alta e muito ricos. Essa gente então não quer taxar o seu próprio recurso”, destacou.

“Mas precisamos fazer as pessoas compreenderem que pagar imposto de renda corretamente é fazer justiça nesse País. Quem ganhar mais tem a responsabilidade de pagar mais e quem ganha menos tem o direito de pagar menos. Se a sociedade estiver convencida disso, fica fácil convencer o Congresso Nacional”, ponderou em seguida.

Na conversa com a rádio amazonense, Lula tornou a dizer que está confiante na vitória contra Jair Bolsonaro (PL) no próximo dia 30 de outubro, mas lamentou o ‘clima de ódio’ instalado no País.

“Esse presidente foi eleito dez vezes pela urna eletrônica e nunca reclamou, agora, como sabe que vai perder, está tentando encontrar uma coisa para culpar e está culpando a urna. Ele vai perder a eleição porque fez um mau governo, não entende de governar”, disse.

“Acho que o povo vai votar na democracia, mas acho que o bolsonarismo e o ódio vão continuar por um tempo, os fanáticos vão continuar por um tempo, mas vamos ter um processo de reconciliação com o passar dos dias”, completou mais adiante.

O ex-presidente foi instado ainda a dizer qual será o papel de Simone Tebet (MDB) em um eventual terceiro mandato do PT, mas, novamente, optou por não responder para ‘não criar animosidades’.

“Não vou sentar na cadeira antes de ganhar. Depois que eu ganhar as eleições eu vou começar a discutir ministério. Se eu, antes de ganhar, indicar alguém para qualquer cargo, vou arrumar animosidades com os que não foram indicados”, justificou. “Então, não tá na hora de anunciar nada, está na hora de ganhar as eleições”, reforçou antes de agradecer o ‘papel importante’ que a senadora tem cumprido, em especial no eleitorado feminino, neste segundo turno.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.