Política

Horas após ação armada, Jefferson se entrega à PF no Rio de Janeiro

No fim desta manhã, o bolsonarista atirou contra policiais federais que tentavam executar o mandado expedido pelo ministro Alexandre de Moraes

O candidato do PTB à Presidência, Roberto Jefferson. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) se entregou à Polícia Federal na noite deste domingo 23, em cumprimento a uma ordem do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes.

No fim desta manhã, o bolsonarista atirou contra policiais federais que tentavam executar o mandado de prisão em Comendador Levy Gasparian, no estado do Rio de Janeiro. Pouco antes de Jefferson se entregar, o ex-presidenciável Padre Kelmon (PTB) entregou a agentes a arma do dirigente petebista.

Jefferson havia sido detido em agosto de 2021 por ordem de Moraes no âmbito do inquérito sobre a atuação de milícias digitais contra a democracia. Em janeiro deste ano, o ministro acolheu um pedido da defesa do extremista e autorizou a progressão para a prisão domiciliar.

Ao revogar a domiciliar, Moraes listou episódios em que Jefferson descumpriu as regras:

  • recebeu visitas e transmitiu orientações a dirigentes do PTB;
  • concedeu entrevista à Jovem Pan News no YouTube;
  • promoveu, replicou e compartilhou fake news “que atingem a honorabilidade e a segurança do STF e de seus ministros, atribuindo e/ou insinuando a prática de atos ilícitos por membros da Corte”.

Em vídeo publicado nas redes sociais na última sexta-feira 21, Jefferson atacou a ministra do STF Cármen Lúcia por votar a favor de punir a Jovem Pan por declarações ofensivas e distorcidas sobre o ex-presidente Lula (PT).

“Fui rever o voto da Bruxa de Blair, da Cármen Lúcifer, na censura prévia à Jovem Pan, e não dá para acreditar”, diz Jefferson em vídeo publicado nesta sexta-feira 21 pela filha dele, Cristiane Brasil. “Lembra mesmo aquelas prostitutas, aquelas vagabundas, arrombadas, que viram para o cara e dizem: ‘Benzinho, no rabinho é a primeira vez’. Ela fez pela primeira vez. Abriu mão da inconstitucionalidade pela primeira vez. Bruxa de Blair, é podre por dentro e horrorosa por fora.”

Na última segunda-feira 17, o TSE determinou que a Jovem Pan conceda três direitos de resposta ao PT por “divulgação de ofensas e fatos sabidamente inverídicos contra o candidato Luiz Inácio Lula da Silva”.

Segundo Moraes, “está largamente demonstrada, diante das repetidas violações, a inadequação das medidas cautelares em cessar o periculum libertatis do denunciado, o que indica a necessidade de restabelecimento da prisão, não sendo vislumbradas, por ora, outras medidas aptas a cumprir sua função”.

O despacho assinado por Moraes no sábado 22 estabelece as seguintes ordens:

  • o restabelecimento da prisão de Jefferson, a ser executado pela Polícia Federal;
  • a proibição de Jefferson “conceder qualquer entrevista ou receber quaisquer visitas no estabelecimento prisional, salvo mediante prévia autorização judicial”;
  • busca e apreensão “de documentos/bens, bem como de todos os celulares, computadores, tablets e quaisquer outros dispositivos eletrônicos, em todos os endereços residenciais e profissionais” de Jefferson;
  • o acesso imediato e a “exploração do conteúdo dos documentos em qualquer suporte (…) que se encontrem nos locais ou em poder do requerido ou das pessoas que com ele estiverem”;
  • “a imediata liquidação dos valores referentes a multa diária fixada, para imediato cumprimento e execução”.

Leia a íntegra da decisão:

Moraes-decisao_monocratica-Roberto-Jefferson-23-out-2022

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.