Política

Impeachment virou moda no Brasil, diz Michel Temer em Lisboa

Ex-presidente defendeu a sua chegada ao poder como constitucional, mas disse que impedimento é ‘trauma’

O ex-presidente Michel Temer (MDB). Foto: Reprodução/TV Lide
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Michel Temer (MDB) defendeu a redução de partidos no Brasil para evitar a ocorrência do impeachment, processo que derrubou Dilma Rousseff (PT) e o levou ao poder em 2016. As declarações foram feitas em evento do Lide – Grupo de Líderes Empresariais, em Lisboa, nesta sexta-feira 3.

Segundo o emedebista, o Brasil deveria ter apenas dois partidos, ainda que eles agrupem mais de uma dezena de forças políticas. Além disso, defendeu um modelo semipresidencialista. Em sua opinião, a mudança evitaria “traumas institucionais”.

“Você aprimora o sistema político. E, quando precisar mudar o governo, o governo cai porque pega a maioria parlamentar, e outra maioria parlamentar se forma. Imediatamente se instala um novo governo, sem nenhum trauma, como ocorreu no Brasil, como ocorre algumas vezes no Brasil, pelo chamado impedimento, que, a todo momento, até, convenhamos virou moda no Brasil, a todo momento é um impedimento“, declarou.

Na sequência, Temer acrescentou o impeachment como um “trauma”, mad reforçou a legalidade do processo.

“Eu passei por isso, vocês sabem, cheguei constitucionalmente ao poder num sistema patrocinado pelo Legislativo, e coordenado pelo Supremo Tribunal Federal, mas é sempre um trauma institucional. Nós precisamos acabar com os traumas institucionais”, afirmou.

Temer discursou por cerca de dez minutos diante de outras autoridades brasileiras e também tocou no tema do meio ambiente, em que defendeu o cumprimento rigoroso do Acordo de Paris.

Ministros do Supremo Tribunal Federal, como Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes, mencionaram as investigações sobre os ataques golpistas de 8 de janeiro e disseram ter compromisso em restabelecer a normalidade do regime democrático.

O Lide foi fundado pelo ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB).

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo