Justiça

Fachin nega recurso e confirma fim de investigação contra Temer em caso da mala com dinheiro

MPF tentou reverter no STF a decisão do TRF-1 que arquivou o caso por falta de provas

O ex-presidente Michel Temer. Foto: AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin rejeitou, nesta quarta-feira 8, um recurso do Ministério Público Federal que tentava reverter a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região que arquivou uma ação contra o ex-presidente Michel Temer (MDB) pelo suposto recebimento de dinheiro do grupo J&F. 

O ex-assessor de Temer e ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures foi flagrado recebendo uma mala com 500 mil reais de Ricardo Saud, ex-executivo da J&F. A suspeita é de que o dinheiro seria referente ao pagamento de propina. 

Temer chegou a se tornar réu por corrupção passiva, mas o TRF-1 arquivou a ação por falta de provas, em 2021. Contra o arquivamento, o MPF acionou o STJ, que manteve a decisão da segunda instância. 

O órgão decidiu, então, questionar a decisão perante o STF, sob a alegação de que existem indícios suficientes para uma ação penal contra Temer. 

Segundo o MPF, a “denúncia traça contexto fático-probatório indicativo de pagamento de suborno pelo empresário Joesley Batista ao então presidente da República Michel Temer, mediante a utilização do intermediário Rodrigo Rocha Loures”.

Apesar da insistência do MPF, Fachin, relator do caso, rejeitou o recurso, uma vez que o Supremo não reanalisa provas. 

“Como também se observa, a exauriente análise da falta de justa causa para a instauração da ação penal, à luz dos fatos e das provas constantes dos autos, não possibilita o exame da controvérsia, em sede de recurso extraordinário.”

Com a decisão, o caso continua arquivado. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo