Política

Flávio Bolsonaro diz que tratou de eleição com Queiroz: ‘Ele é ficha-limpa, falei para ir à luta’

Senador admite que caso das rachadinhas será usado na campanha contra a reeleição de Bolsonaro

Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

Coordenador da campanha à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL), o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) reconhece que sua relação com o policial militar e seu ex-assessor Fabrício Queiroz será explorada durante a disputa pelo Palácio do Planalto. Ainda assim, ele tece elogios ao PM e diz torcer pelo seu sucesso eleitoral. Suspeito de operar um esquema de recolhimento de parte dos salários de funcionários do gabinete do parlamentar na época em que ele era deputado estadual no Rio, Queiroz pretende disputar uma vaga na Câmara dos Deputados.

Em entrevista exclusiva ao GLOBO, Flávio detalhou o último encontro que teve com o policial, no final do ano passado, em Brasília. De acordo com o senador, eles não tocaram no assunto das rachadinhas, como ficou conhecido o suposto esquema, alvo de um inquérito que acabou sendo anulado por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Queiroz, segundo Flávio, queria saber a opinião do ex-chefe a respeito de seu projeto eleitoral. O parlamentar conta que o encorajou.

— Falei para ele: “Vai à luta, você é ficha-limpa”. É uma pessoa que tem bons contatos no Rio de Janeiro, tem uma história bacana na Polícia Militar. E agora ainda tem uma exposição gigante. O Queiroz ficou famoso, né? — afirmou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo