CartaExpressa

Bolsonaro fala em ditadura e promete: ‘Nos próximos dias, vai acontecer algo que vai nos salvar’

Ex-capitão não deixou pistas do que seria este ‘algo’; declaração foi celebrada por apoiadores

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro (PL) prometeu nesta quinta-feira 10 a apoiadores que o acompanhavam no cercadinho em frente ao Palácio do Alvorada que ‘algo’ irá acontecer nos próximos dias para ‘salvar o Brasil’. O ex-capitão falava sobre Cuba e Venezuela, mas não deixou pistas sobre o que seria este ‘algo’ a que ele se referia.

“Qual a diferença de uma ditadura que vem pelas armas, como é em Cuba e Venezuela, e a ditadura que vem pelas canetas? Nenhuma. Vocês sabem o que está acontecendo no Brasil. Acredito em Deus e nos próximos dias vai acontecer algo que vai nos salvar no Brasil. Tenham certeza disso”, afirmou.

A declaração confusa foi celebrada por apoiadores. Em meio aos aplausos, um pastor bolsonarista que orava para o ex-capitão no início da conversa disse que, ainda no primeiro semestre, ‘Deus irá levantar o tapete e varrer toda a imundice do Brasil’. “O Brasil todo vai se surpreender, até quem foi o mandante da sua facada”, garante o homem.

Em seguida, o grupo faz uma nova oração e Bolsonaro muda de assunto, confirmando que irá viajar para a Rússia na próxima segunda-feira 14.

Ainda no cercadinho, Bolsonaro voltou a criticar a adoção de passaportes sanitários por prefeitos e governadores. Ao ouvir o relato sobre a exigência em Manaus, disparou:

“Rapaz, parece que tá dentro de alguns aquele espírito de ditador, ‘quero mandar’, ‘vai vacinar teu filho’, ‘não pode entrar aqui’. Então pessoal, voto pra presidente é importante, mas pra vereador também é, tá ok?”.  A declaração foi direcionada ao prefeito David de Almeida (Avante).

Em outro momento, ao fazer uma rápida referência a Lula (PT), o ex-capitão também criticou a proposta de regulamentação da mídia feita pelo petista. Ao tratar do assunto, atacou o adversário chamando de canalha.

“Agora com o celular, com a mídia livre…vai continuar livre, porque não vai ser um canalha ou outro que vai querer cercear a liberdade nossa…vocês sabem ao que estou me referindo…Com esse tipo de informação que eles tem, essa prisão [pressão por votos em pequenas cidades] vai deixar de existir”, disse.

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.