Política

cadastre-se e leia

Se o Congresso não votar a regulação das redes, não poderá reclamar do STF por julgar o tema, diz Jandira

Em evento de CartaCapital em Brasília, a deputada afirmou ser ‘obrigação’ do Legislativo enfrentar o assunto

Foto: Divulgação/CartaCapital
Apoie Siga-nos no

A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) afirmou que se o Congresso Nacional abdicar da responsabilidade de aprovar alguma regulamentação das redes sociais, o Supremo Tribunal Federal terá de tomar a iniciativa.

A declaração foi proferida em entrevista à reportagem na terça-feira 14, em Brasília, durante a primeira rodada de um ciclo de debates promovido por CartaCapital para celebrar seus 30 anos.

Em abril, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), anunciou a criação de um grupo de trabalho para discutir a regulação das redes, uma decisão que feriu de morte o PL das Fake News. Segundo ele, “está fadado a ir a lugar nenhum” o texto apresentado pelo relator, Orlando Silva (PcdoB-SP).

“É uma obrigação do Parlamento legislar sobre isso, porque impacta fundamentalmente a democracia e a formação de valores na sociedade”, disse Jandira. “Outras propostas surgirão, mas precisamos fazer com que o Congresso enfrente. Senão não tem o que reclamar depois que o STF legislou.”

Segundo ela, a melhor solução seria o Congresso aprovar a legislação, a fim de privilegiar o debate democrático. A deputada reforçou, porém, que o Supremo terá de assumir a dianteira se o Parlamento continuar a se omitir.

O ministro Dias Toffoli já avisou que liberará até o fim de junho uma ação sob sua relatoria que questiona parte do Marco Civil da Internet. O processo trata do artigo 19, a dispor sobre as circunstâncias em que um provedor de internet pode ser responsabilizado por postagens de internautas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo