CartaExpressa

Bolsonaro diz que audiência de sua live é ‘prova concreta’ de fraude em pesquisas

Os levantamentos de intenção de voto reforçam o favoritismo do ex-presidente Lula

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro voltou a questionar as pesquisas eleitorais, sem, porém, apresentar qualquer sustentação para suas alegações. Nesta quinta-feira 10, durante transmissão ao vivo nas redes sociais, tentou justificar sua argumentação a partir da audiência de lives do PT, partido do líder dos levantamentos, o ex-presidente Lula.

“Número não dá para distorcer. As nossas mídias sociais, 50 mil. Pingos nos Is, da Jovem Pan, 140 mil. Então, arredondando, 190 mil pessoas estão nos assistindo. E, para vocês, quero fazer a propaganda do site do PT. Neste momento, o PT está fazendo uma live, aniversário do mesmo, 1,2 mil pessoas assistindo. Dá 150 vezes. Então, o líder das pesquisas tem 50 vezes menos assistindo. É uma prova concreta de que é uma farsa, as pesquisas não batem com a realidade”, disse o ex-capitão.

Pesquisa Quaest/Genial divulgada na última quarta-feira 9 mostra que Lula mantém 45% das intenções de voto. Com o resultado, o petista supera a soma de todos os demais candidatos e reforça a possibilidade de vencer ainda no primeiro turno.

Ao todo, quatro cenários foram considerados pela Quaest e, em todos, Lula lidera com ampla vantagem. Bolsonaro aparece em segundo lugar, variando entre 23% e 24%. Ciro Gomes (PDT) e Sergio Moro (Podemos) novamente empatam em terceiro lugar, com 7% da preferência dos eleitores.

Em um eventual segundo turno, Lula superaria qualquer adversário por uma diferença de pelo menos 20 pontos, de acordo com a pesquisa. Contra Bolsonaro, por 54% a 30%; contra Moro, por 52% a 28%; e contra Ciro, por 51% a 24%.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar