CartaExpressa

Moraes tira da prisão coronel do Exército investigado por conspiração golpista

Marcelo Câmara terá de cumprir uma série de medidas cautelares, entre elas o uso de tornozeleira eletrônica

Marcelo Câmara, ex-assessor do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes determinou a saída da prisão do coronel do Exército Marcelo Câmara, ex-assessor de Jair Bolsonaro (PL).

O militar terá de cumprir uma série de medidas cautelares, entre elas o uso de tornozeleira eletrônica e a apresentação semanal ao Juízo da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal.

Câmara foi um dos alvos da Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela Polícia Federal em 8 de fevereiro a fim de apurar uma trama golpista para impedir a posse de Lula (PT) em 2022.

Segundo as investigações, o coronel foi responsável por uma operação de monitoramento de Moraes “e de possíveis outras autoridades da República com objetivo de captura e detenção quando da assinatura do decreto de golpe de Estado”.

No relatório enviado ao STF e que serviu de base para a operação de fevereiro, a PF apontou que as ações de Câmara “revelam o uso de uma ‘inteligência paralela’” e que não haveria “garantias de que o monitoramento ao ministro Alexandre de Moraes tenha realmente cessado”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.