Política

Fim do recadastramento, diálogo com o Congresso e confisco: os próximos passos do governo sobre armas de fogo

Segundo Flávio Dino, 613,8 mil de um total de 762,3 mil armas já foram recadastradas no Sistema de Gerenciamento Militar

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Flávio Dino. Foto: Joédson Alves/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Flávio Dino, afirmou nesta segunda-feira 20 que não considera prorrogar o prazo para o recadastramento de armas de fogo no País, a se encerrar em 3 de abril.

A medida, determinada pelo presidente Lula (PT) logo após a posse, tem o objetivo de reverter a flexibilização da circulação de armas promovida por Jair Bolsonaro (PL). Ao julgar o tema, o Supremo Tribunal Federal considerou que a nova regra está dentro da legalidade e suspendeu decisões pró-armas de instâncias judiciais inferiores.

Segundo Dino, 613,8 mil de um total de 762,3 mil armas já foram recadastradas no Sistema de Gerenciamento Militar de Armas. O índice de 81% supera a previsão inicial do governo, que esperava obter 80% de adesão.

“Chamo a atenção, contudo, que temos um percentual mais alto de cadastramento nas armas de uso permitido e um percentual menor nas armas de uso restrito”, alertou o ministro. “Restam 14 dias para o término do prazo de recadastramento, e esse prazo não será prorrogado.”

O passo seguinte ao fim do recadastramento será, segundo Dino, entregar a Lula a proposta de uma nova norma sobre armamento no Brasil. “Com isso, teremos o regramento definitivo sobre clubes de tiro, porte de uso restrito, armas de uso restrito”, explicou.

Dino afirmou que o processo de formulação da nova política sobre o armamento ocorre de modo participativo, com a realização de audiências públicas. Ele se comprometeu a ir à Câmara dos Deputados e ao Senado para debater o tema com as comissões competentes.

O ministro declarou, por fim, que não haverá o confisco de armas recadastradas, mas alertou que a medida pode atingir aquelas que não forem registradas no Sigma.

“Então, em abril, quando tivermos a conclusão do recadastramento, as armas que não forem recadastradas estarão sujeitas a apreensão administrativa e remessa à Polícia Federal, para que instaure os inquéritos policiais.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo