Política

‘Não é hora de procurar culpados’ pela tragédia no Rio Grande do Sul, diz Eduardo Leite

Leite também fez o apelo ao governo e líderes da Câmara e Senado para flexibilizar regras fiscais e desburocratizar ações do governo e parlamentares que visam a reconstrução do estado

Arthur Lira, Eduardo Leite, Lula, Rodrigo Pacheco e ministros participam de coletiva no RS neste domingo 5. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), afirmou que ‘não é a hora de procurar culpados’ pela dimensão dos danos e perdas trazidas pelas enchentes e inundações no estado. A declaração foi dada durante coletiva de imprensa, neste domingo 5, ao lado de Lula e líderes do poder legislativo.

“Não é hora de procurar culpados, não é hora de transferir responsabilidades. Vamos ter que trabalhar à altura que o momento histórico exige”, destacou. Leite é questionado nas redes por ter destinado poucas verbas destinadas à Defesa Civil e para o enfrentamento das mudanças climáticas.

Leite também fez o apelo ao governo e líderes da Câmara e Senado para flexibilizar regras fiscais e desburocratizar ações do governo e parlamentares que visam a reconstrução do estado. “O orçamento estadual é pressionado por dívidas e regras fiscais. Vamos ter restrições que vão exigir excepcionalidades”, reforçou.

Durante a coletiva, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), também destacou a necessidade de que o Congresso elabore uma medida “totalmente extraordinária” para o estado. Lira destacou que será feita uma reunião nesta segunda-feira 6 com líderes partidários para que a Câmara possa discutir o tema.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), reforçou o ensejo de Lira afirmando que é o momento de “retirar da prateleira e da mesa a burocracia” na aprovação de medidas que viabilizem a reconstrução do RS. “Não há limitações, não há restrições legais de tempos comuns. Há necessidade de retirar da prateleira e da mesa a burocracia e as limitações para que não falte ao RS para a sua reconstrução”, afirmou.

Pacheco também destacou a necessidade do governo liberar as chamadas emendas parlamentares ao menos aos políticos do Estado para que possam destinar verbas para medidas emergenciais. No entanto, o líder do Senado reforçou a preocupação em vencer lentidão da burocracia com a garantia da segurança jurídica nas ações tomadas.

As fortes chuvas que atingem o Rio Grande do Sul desde a semana passada já afetaram mais de 780,7 mil pessoas e deixaram 75 mortes confirmadas até o momento, de acordo com o último boletim da Defesa Civil. Dos 497 municípios gaúchos, 334 foram afetados pelas fortes chuvas, que já obrigaram 95,7 mil pessoas a abandonarem suas casas e deixou 104,6 mil desalojados.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo