Política

Farra das passagens: Rosangela Moro é condenada a devolver R$ 28 mil à União por voos irregulares

TRE-SP entendeu que a candidata não comprovou a finalidade de deslocamentos entre São Paulo e Curitiba durante a campanha eleitoral

Dep. Rosângela Moro (UNIÃO - SP) Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) determinou que a deputada federal Rosangela Moro (União Brasil) restitua mais de 28 mil reais gastos em voos irregulares durante a campanha para a Câmara em 2022. 

A Corte Eleitoral paulista entendeu que as viagens feitas pela então candidata entre São Paulo, estado pelo qual foi eleita, e Curitiba, cidade onde morava anteriormente, não foram propriamente justificadas. 

Ao analisar a prestação de contas da parlamentar, os magistrados apontaram que Rosangela não conseguiu comprovar a finalidade desses deslocamentos e, portanto, terá que devolver à União os valores usados irregularmente. 

Em sua defesa, a parlamentar alegou que as viagens para Curitiba tinham como objetivo produzir material eleitoral juntamente com seu marido, o ex-juiz Sergio Moro (União Brasil). Naquela ocasião, ele era candidato a senador pelo Paraná após não conseguir mudar seu domicílio eleitoral para São Paulo. 

Ao tomar a decisão, o TRE de São Paulo, porém, disse não ter recebido a comprovação de execução de gravações de campanha na capital paranaense, reforçando assim a irregularidade das viagens da então candidata.

“Em que pese a argumentação da candidata, não restou comprovada a execução de gravação na cidade de Curitiba na data da viagem”, apontou a Corte. 

Rosangela apelou da sentença na última quarta-feira.  

Além desse procedimento que visa aprovar os gastos eleitorais dos parlamentares eleitos, Rosangela é alvo de outra ação na Justiça que analisa a sua mudança de domicílio eleitoral de São Paulo para o Paraná. A movimentação foi contestada pelo PT. 

A troca de endereço foi vista como uma estratégia do casal para que Rosangela esteja apta a disputar a vaga do marido, caso Moro seja cassado pela Justiça Eleitoral. O julgamento de Moro no TRE-PR está marcado para o dia 1º de abril.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo