Economia

É extremamente complexo conviver com um presidente do BC que você não escolheu, diz Haddad

O ministro da Fazenda reforçou não haver razão para cogitar uma retomada na elevação da taxa Selic

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Foto:Wilson Dias/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), afirmou ser “uma experiência extremamente complexa” conviver com um presidente do Banco Central não escolhido pelo atual governo. Trata-se de uma referência a Roberto Campos Neto, uma “herança” da gestão de Jair Bolsonaro (PL).

A chamada autonomia do BC entrou em vigor em fevereiro de 2021, após ser aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada por Bolsonaro. A lei tem como principal mudança a adoção de mandatos de quatro anos para o presidente e os diretores do órgão. Esses mandatos ocorrerão em ciclos não coincidentes com a gestão do presidente da República.

Haddad também disse, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo publicada neste sábado 27, que seria “uma enorme surpresa” se o Comitê de Política Monetária voltasse a elevar a taxa básica de juros, hoje em 10,75% ao ano. O petista minimizou o impacto da mudança da meta fiscal para 2025 sobre o comportamento da Selic.

“O governo Bolsonaro fez o maior déficit da história, inclusive por causa da pandemia da Covid-19. Mas, mesmo tirando a pandemia, foi o estouro da boiada, furando o teto o tempo inteiro. No pior momento, a Selic chegou a 2%”, registrou o ministro.

“Eu não sou diretor do Banco Central. Mas, para mim, seria uma enorme surpresa, com a inflação de março em 0,16% [os juros subirem]. Estão pedindo o quê da economia brasileira?”, prosseguiu. “Está sendo uma experiência extremamente complexa conviver com um presidente do Banco Central que você não escolheu.”

Campos Neto declarou nos últimos dias que mudanças na meta fiscal tornam mais “custoso” o trabalho da autoridade monetária. A avaliação começou a ser exposta após o governo Lula (PT) anunciar um ajuste na meta para 2025: sai de cena o superávit de 0,5% do Produto Interno Bruto, entra o déficit zero.

Na última sexta-feira 26, o IBGE informou que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15, considerado a prévia da inflação oficial do País, fechou em 0,21% em abrill. O resultado, exaltado por Haddad, marca uma desaceleração frente aos 0,36% de março.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo