Mundo

‘Que prazer revê-la’: Papa Francisco recebe Dilma no Vaticano

Ao fim do encontro, o pontífice fez um pedido: ‘reze por mim, que eu rezo pela senhora’

Papa Francisco e Dilma Rousseff, no Vaticano, em 27 de abril de 2024. Foto: Vatican Media
Apoie Siga-nos no

O Papa Francisco recebeu no Vaticano, neste sábado 27, a presidenta do Novo Banco de Desenvolvimento – conhecido como Banco do Brics -, Dilma Rousseff.

A ex-presidenta da República presenteou o pontífice com o livro Theodoro Sampaio, nos sertões e na cidade, obra de Ademir Pereira dos Santos sobre o engenheiro civil, geógrafo, cartógrafo, historiador, etnógrafo, arquiteto e urbanista, filho de uma escrava na zona rural de Santo Amaro da Purificação (BA).

Francisco, por sua vez, entregou a Dilma a encíclica Laudato si, a exortação apostólica Laudate Deum e uma escultura em bronze com as escritas “amar” e “ajudar”.

Ao fim do encontro, segundo o Vatican News, o Papa fez um pedido: “reze por mim, que eu rezo pela senhora”. A agência italiana ANSA reportou a resposta da convidada: “estou rezando”.

Este é o quarto encontro entre os líderes. Em março de 2013, Francisco recebeu Dilma e confirmou sua ida ao Brasil para a Jornada Mundial da Juventude daquele ano. Eles ainda se encontraram mais uma vez no Vaticano e outra no Brasil.

“É sempre uma alegria estar com o Papa Francisco, amigo do Brasil e um homem profundamente comprometido com os destinos da humanidade”, publicou Dilma nas redes sociais após a agenda deste sábado. “Falamos sobre os grandes desafios da humanidade: o combate à desigualdade e à fome, a transição energética e as ações necessárias para enfrentar as mudanças climáticas.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo