Economia

CPI da Americanas adia votação de relatório em meio a críticas por não responsabilizar bilionários

Integrantes da comissão articulam apresentar relatórios alternativos com a responsabilização de Lemann, Telles e Sicupira

Vinicius Loures / Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O presidente da CPI da Americanas, o deputado Gustinho Ribeiro (Republicanos-SE), acolheu um pedido de parlamentares e adiou a votação do relatório final da comissão, que seria analisado nesta terça-feira 5. A deliberação deve acontecer em 19 de setembro, no limite do prazo para o encerramento dos trabalhos.

Deputados do PL e do PSOL se uniram para postergar a votação após o relatório produzido por Carlos Chiodini (MDB-SC) não apontar culpados pela fraude bilionária na varejista. Os parlamentares também criticam o comando da CPI por não convocar a depor o trio de acionistas de referência – Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira.

O relatório até sugere o envolvimento da antiga diretoria da companhia, mas evita fazer “um juízo de valor seguro” sobre a participação no episódio. Apontar os responsáveis pela fraude, acrescenta o texto, “resultaria em prováveis alegações de violação de direitos”.

O teor do relatório foi criticado pelo deputado Mauro Benevides Filho (PDT-CE). “É um posicionamento muito estranho de uma CPI tomar vários depoimentos e não chegar a nenhuma conclusão. Estamos servindo de chacota”, pontuou.

Enquanto vigora o pedido de vista, integrantes da comissão articulam apresentar relatórios alternativos com a responsabilização dos empresários. Até a votação, os deputados também tentarão ouvir Miguel Gutierrez, ex-CEO da Americanas.

Gutierrez chegou a ser convocado, mas não compareceu porque está em viagem ao exterior. Como alternativa, enviou uma carta com acusações contra a atual direção da companhia e se dispôs a depor por videoconferência.

“Não posso aceitar que os requerimentos nem mesmo tenham sido votados. O ex-diretor Miguel Gutierrez deveria ter sido ouvido mesmo por videoconferência”, protestou a deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS).

Gutierrez, que esteve à frente da companhia por vinte anos, ainda acusou seu sucessor, Sérgio Rial, de mentir em depoimento à comissão quando disse que o trio de acionistas não sabia das fraudes nas contas da Americanas. Os empresários citados pelo ex-diretor negam as acusações.

“Me tornei conveniente ‘bode expiatório’ para ser sacrificado em nome da proteção de figuras notórias e poderosas do capitalismo brasileiro”, escreveu o ex-CEO.

A CPI foi criada em maio para investigar as inconsistências da ordem de 20 bilhões de reais detectadas em lançamentos contábeis da Americanas.

A varejista entrou em recuperação judicial após a descoberta do rombo, com dívidas de 43 bilhões de reais com cerca de 16,3 mil credores e apenas 800 milhões de reais em caixa.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo