Economia

Dino suspende leilão de 3 lotes da Companhia de Saneamento do Paraná

Ao assinar a liminar, o ministro do STF apontou indício de restrição injustificada de concorrência

Sessão da Primeira Turma do STF. Ministro Flávio Dino durante a sessão da Primeira Turma do STF. Foto: Gustavo Moreno/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal Flávio Dino suspendeu o leilão de três lotes de parceria público-privada da Companhia de Saneamento do Paraná, a Sanepar. A decisão foi assinada na noite da terça-feira 21.

A Aegea, uma das empresas que disputam a licitação para prestar serviços de esgotamento sanitário em 122 municípios paranaenses, acionou o STF com questionamentos sobre o edital.

Como as propostas seriam abertas nesta quarta-feira 22, Dino entendeu haver urgência e concedeu uma liminar.

As demandas da Aegea não prosperaram na Justiça parananese, mas a companhia recorreu ao Supremo contra uma regra do edital que proíbe a escolha da mesma empresa para mais de um dos três lotes. O argumento é que a norma seria desproporcional e violaria a competitividade.

Para Dino, a regra pode, de fato, limitar a concorrência, uma vez que não considera a capacidade real das empresas e impede a administração pública de optar pela proposta mais vantajosa.

“A princípio, evitar que uma empresa vença mais de um lote, mesmo que demonstre capacidade técnica e econômica para executar mais de um deles, pode restringir a concorrência de forma injustificada”, escreveu.

Leia a íntegra da decisão:

Dino

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo