Política

Cid Gomes se filia ao PSB após racha do PDT

Evento de filiação em Fortaleza contou com a presença do vice-presidente Geraldo Alckmin

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O senador Cid Gomes se filiou ao PSB, neste domingo 4, após uma racha em seu partido anterior, o PDT, e um rompimento com seu irmão, Ciro Gomes.

O evento de filiação foi realizado em Fortaleza e contou com a presença do vice-presidente Geraldo Alckmin e dos ministros Márcio França e Camilo Santana.

Além de Cid Gomes, o evento também oficializa a filiação da atual secretária-executiva do Ministério da Educação, Izolda Cela.

Pelo X, antigo Twitter, Alckmin comemorou a chegada dos novos colegas de partido.

Cid Gomes é um dos principais líderes políticos do Ceará. O senador deixou o PDT, mesma sigla de seu irmão, após uma briga familiar.

Ele chega ao PSB levando com sido 38 prefeitos e prefeitas do Ceará, a maioria vinda do PDT. Entre eles está Ivo Gomes, irmão de Ciro e Cid, que comanda a Prefeitura de Sobral, berço político da família.

Outros deputados estaduais e federais também devem acompanhar Cid na migração, mas aguardam a janela partidária de 2026.

Em seu discurso, Cid chamou o ministro Camilo Santana de irmão.

“Eu queria evitar expressão familiar, mas eu vou dizer: meu caro irmão Camilo Santana”, afirmou Cid.

“Quando eu procurei Camilo para ser o governador, não era para ser capacho meu. […] Eu procurei para ele ser um governador de estado melhor do que eu. E digo sem problema de vaidade: Camilo é hoje a maior liderança de estado do Ceará e eu me orgulho disso”, completou.

A briga entre os irmãos, que resultou no racha do PDT, aconteceu após Cid e Ciro divergirem quanto ao apoio ao PT.

Ciro defende a independência do PDT em relação do governo petista no estado e acusa o irmão de ter o “abandonado” na eleição presidencial de 2022 e atuado em prol da campanha do presidente Lula (PT).

Em 2023, a briga escalou e a principal causa passou a ser as possíveis alianças com o PT nas eleições municipais de outubro deste ano.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo