CartaExpressa

A nova proposta de Carlos Bolsonaro na Câmara do Rio: proibir convênios com ONGs ‘comunistas’

Justificativa tem menção a Olavo de Carvalho e ‘agentes de sub-reptícia tática de espraiamento do comunismo’

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

O vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PL) protocolou um projeto de lei na última quarta-feira 8 para proibir determinadas organizações não governamentais de firmar convênios e contratos com o município, sob a alegação de que elas seriam “agentes de nova e sub-reptícia tática de espraiamento do comunismo”.

Entre as entidades na mira do filho de Jair Bolsonaro (PL) estão Open Society Foundations, Fundação Ford, USAID, Greenpeace Brasil e Fundação Bill e Melinda Gates.

“É preciso frisar, o comunismo, como dito pelo falecido professor Olavo de Carvalho, não é um sistema econômico e filosófico, mas um plano de dominação que tem por assoalho o antagonismo social, seja de que tipo for, patrões e empregados, negros e brancos, homens e mulheres, homossexuais e heterossexuais, indígenas e demais brasileiros, etc.”, escreveu o vereador na justificativa do projeto.

A proposta chegou à Consultoria de Assessoramento Legislativo da Câmara Municipal. A tramitação de fato, contudo, ainda não começou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.