Política

Bolsonaro ameaça tirar o Brasil da OMS

Presidente considera copiar Donald Trump e acusa entidade de atuar com ‘viés ideológico’

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR
O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro ameaçou tirar o Brasil da Organização Mundial da Saúde (OMS), durante conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, nesta sexta-feira 5. Dessa forma, Bolsonaro copiaria a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que anunciou o rompimento com a entidade em 29 de maio.

Para Trump, a OMS é muito tolerante com a China em relação à pandemia do novo coronavírus. Em sucessivas declarações, o chefe da Casa Branca pediu reformas na entidade para assegurar sua “independência” em relação a Pequim. No entanto, ele considerou que seu pedido não foi atendido e decidiu redirecionar para outras fundações toda a verba que destinava à entidade.

Agora, Bolsonaro sugeriu que pode fazer o mesmo. O presidente da República fez queixas sobre a decisão da OMS em retomar os testes com a hidroxicloroquina no tratamento contra a covid-19, anunciada na quarta-feira 3. A entidade havia suspendido os ensaios clínicos em 25 de maio, após um estudo em larga escala descartar os benefícios da substância. No entanto, a OMS considerou que os dados disponibilizados não deram razão para a suspensão dos testes.

Apesar de a OMS ter deixado explícito que a suspensão ocorreu por precaução, Bolsonaro afirmou que a conduta da entidade tem “viés ideológico”.

“Foi despublicado aquele estudo que desaconselhava a cloroquina. Voltou agora, a OMS voltou atrás. A OMS é o seguinte né, o Trump cortou a grana deles, voltaram atrás em tudo. Só falta… Um cara que nem é médico”, disse o presidente, referindo-se ao diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus. “E eu adianto aqui, tá. Os Estados Unidos saiu da OMS, a gente estuda no futuro, ou a OMS trabalha sem o viés ideológico, ou nós vamos estar fora também. Não precisamos de gente lá de fora dar palpite na saúde aqui dentro.”

Não é a primeira vez que Bolsonaro ataca a OMS. Em oportunidades anteriores, o presidente menosprezou o currículo de Ghebreyesus, destacando que o diretor da entidade não é médico. De fato, a graduação de Ghebreyesus não é em Medicina, mas ele ostenta uma longa carreira como profissional de saúde. Formado em Biologia, estudou doenças infecciosas na Universidade de Londres, no Reino Unido, e nos anos 2000 tornou-se doutor em Saúde Pública. Entre 2005 e 2012, atuou como ministro da Saúde da Etiópia.

Embora Bolsonaro manifeste que seguirá Trump mais uma vez, o próprio chefe da Casa Branca citou o Brasil como mau exemplo de combate à pandemia. Durante discurso em Washington, o presidente americano afirmou que, se os EUA imitassem a conduta brasileira, o país norte-americano poderia chegar a 2,5 milhões de mortos.

Na quinta-feira 4, o Brasil passou a Itália e ocupa o 3º lugar entre os países com mais mortos pela covid-19. Segundo o Ministério da Saúde, o país já tem mais de 34 mil óbitos pela doença.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!