Mundo

Trump anuncia rompimento de relações dos EUA com a OMS

Presidente americano afirmou que direcionará colaboração financeira para outras organizações

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Foto: WIN MCNAMEE/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/Getty Images via AFP
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Foto: WIN MCNAMEE/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/Getty Images via AFP

O presidente americano Donald Trump anunciou, nesta sexta-feira 29, o rompimento das relações dos Estados Unidos com a Organização Mundial da Saúde (OMS). O chefe da Casa Branca acusou a entidade de ser muito tolerante com a China em relação à pandemia do novo coronavírus.

A declaração ocorre após sucessivas ameaças de Trump em retirar os Estados Unidos da OMS. Ele afirmou que destinará a contribuição financeira do país a outras fundações.

“Como eles não fizeram as reformas solicitadas e muito necessárias, encerraremos nosso relacionamento com a Organização Mundial de Saúde e redirecionaremos esses fundos para outras necessidades de saúde pública mundial urgentes e globais”, disse à imprensa.

Em 19 de maio, Trump enviou uma carta à OMS em que estipulou um prazo de 30 dias para a conclusão de reformas que assegurassem a independência da entidade em relação a Pequim.

Os Estados Unidos são os maiores financiadores da OMS, com contribuições anuais de entre 400 e 500 milhões de dólares, entre as obrigatórias e voluntárias.

Trump já havia suspendido as contribuições financeiras desde 14 de abril. Dias depois, a China anunciou uma colaboração adicional de 30 milhões de dólares à organização.

Os americanos lideram os rankings mundiais de mortes e casos de infecção por coronavírus. Segundo a Universidade Johns Hopkins, o país acumula 102.323 óbitos e mais de 1,7 milhão de contaminados.

*Com informações da AFP

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!