Política

Em live, Bolsonaro ignora crise com Moro e critica diretor da OMS

Em vez de comentar atrito com ministro, o presidente mirou Tedros Ghebreyesus e disse que “não tem cabimento” que ele seja diretor da OMS

O presidente da República, Jair Bolsonaro, acompanhado do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. Foto: Reprodução/Facebook
O presidente da República, Jair Bolsonaro, acompanhado do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. Foto: Reprodução/Facebook

Em transmissão ao vivo nas redes sociais, nesta quinta-feira 23, o presidente Jair Bolsonaro decidiu deixar de lado a crise interna do Palácio do Planalto com o ministro da Justiça, Sergio Moro. Horas antes, o ex-juiz da Operação Lava Jato avaliava sair do governo, caso Bolsonaro decidisse demitir o diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo.

O alvo de Bolsonaro desta vez foi o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus. O presidente da República afirmou que “não tem cabimento” que Ghebreyesus ocupe o cargo de diretor da entidade por não ser formado em Medicina.

Bolsonaro reclamava sobre a pressão que tem recebido por não cumprir as orientações de isolamento e de distanciamento social da OMS. O presidente se queixou por ser alvo de acusações de “genocídio”, ao se preocupar com a economia em meio à pandemia de coronavírus, em vez de focar em salvar vidas.

“Estou sendo acusado de genocídio por ter defendido uma tese diferente da OMS. O pessoal fala tanto em seguir a OMS, né? O diretor presidente da OMS é médico? Não é médico. Sabia disso?”, afirmou Bolsonaro ao presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, que estava ao seu lado.

Em seguida, Bolsonaro comparou Ghebreyesus a alguém que dirige um banco e não é formado em economia.

“É a mesma coisa que falar, aqui no Brasil, que o presidente da Caixa não fosse alguém da economia. Aí não tem cabimento. Se eu fosse presidente da Caixa, com todo o respeito, eu não ia fazer nada lá. Se você viesse para o Exército, você não ia fazer nada no Exército. Então, o presidente da OMS não é médico. Não é médico, tá certo?”, declarou.

De fato, a graduação de Ghebreyesus não é em Medicina, mas ele ostenta uma longa carreira como profissional de saúde.

O diretor da OMS se formou em Biologia, em 1986, na Universidade de Asmara, na Eritreia. Na década de 1990, estudou doenças infecciosas na Universidade de Londres, no Reino Unido, e nos anos 2000 tornou-se doutor em Saúde Pública. Entre 2005 e 2012, atuou como ministro da Saúde da Etiópia e teve a oportunidade de expandir o sistema de saúde do país.

– Live de quinta-feira (23/04/2020).-Temas: auxílio Caixa e outros.. Link no youtube: https://youtu.be/VuMbYrq_ys4

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Thursday, April 23, 2020

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!