Gustavo Freire Barbosa

[email protected]

Advogado, mestre em direito constitucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Coautor de “Por que ler Marx hoje? Reflexões sobre trabalho e revolução”.

Opinião

Vinícolas escravocratas devem ter suas terras expropriadas e confiscadas

O resgate de 207 trabalhadores em condições análogas à de escravos reacendeu um debate sobre a responsabilização das empresas no envolvimento direto ou indireto dos crimes

Alojamento de trabalhadores resgatados em condições análogas à escravidão em Bento Gonçalves (RS) — Foto: MPT-RS
Apoie Siga-nos no

O Código Civil de 1916, inspirado nos tempos em que a propriedade privada e o contrato não eram sujeitos a relativizações, durou 14 anos após a promulgação da Constituição de 88, resistindo aos limites impostos à sacralidade pelo liberalismo clássico.

A partir da nova Carta magna, o Código Civil se viu submetido a um ordenamento no qual as relações privadas deveriam ser interpretadas a partir do interesse público. O privatismo estaria, agora, preso às determinações constitucionais, onde os interesses da coletividade são mais relevantes.

Dessa forma, perderam valor postulados como o de que “o contrato faz lei entre as partes” e de que o uso da propriedade é irrestrito, subordinado apenas à vontade privada. Ao menos em tese.

Embora os manuais afirmem que houve a constitucionalização do direito civil após 1988, a realidade mostra outra coisa. A legislação privada, afinal, permaneceu 14 anos em vigor, contrariando os limites impostos pela nova ordem constitucional. Apenas em 2002 o Código Civil foi atualizado, consolidando em seu texto previsões como as da função social do contrato e da propriedade, alinhando-se, enfim, à Constituição.

A sobrevivência do Código de 1916 por tanto tempo, mesmo com uma constituição que lhe impunha limites, é um sinal de que há certa essência no direito que o subordina, originalmente, à reprodução das relações capitalistas. É como se fosse esta a sua razão de existir. Vejamos o caso das vinícolas de Bento Gonçalves (RS) e da prestadora de serviços que submeteram mais de 200 pessoas a trabalho análogo à escravidão.

Nossa Constituição, em seu artigo 243, prevê que as propriedades rurais e urbanas em que forem identificadas a exploração de trabalho escravo sejam expropriadas e destinadas à reforma agrária e a programas de habitação popular, sem qualquer indenização ao proprietário e sem prejuízo de outras sanções. Ainda, seu parágrafo único traz que todo e qualquer valor econômico apreendido em decorrência da exploração de trabalho escravo será confiscado e destinado a um fundo especial com destinação específica.

No capítulo que trata da política agrícola e fundiária e da reforma agrária, consta que compete à União desapropriar por interesse social, para fins de reforma agrária, o imóvel rural que não esteja cumprindo sua função social (art.184). A função social da propriedade (art. 5º, XXIII), por sua vez, é respeitada quando a propriedade atende às disposições que regulam as relações de trabalho (art. 186, III) e quando sua exploração favoreça o bem-estar dos trabalhadores (art. IV).

Não há dúvidas de que as terras das vinícolas escravocratas devem ser expropriadas e destinadas à reforma agrária e a programas de moradia, sem indenização, além de confiscados todos os ganhos decorrentes da exploração do trabalho escravo. Mas já há quem se compadeça com a Casa Grande: enquanto uma entidade representativa das vinícolas atribuiu ao Bolsa Família a responsabilidade pelos trabalhadores escravizados, um vereador de Caxias do Sul (RS) alegou que “baianos”, maioria dos mais de duzentos resgatados, são indolentes que só querem ficar “tocando tambor na praia”.

A tardia renovação do Código Civil escancara o pecado original do direito denunciado pelo jurista soviético Evguiéni Pachukanis ainda em 1924: considerando que a forma-jurídica deriva da forma-mercadoria, é a esta que presta os tributos de sua existência.

Convém ressaltar, todavia, que não se trata de uma relação linear, sem contradições. É exatamente explorando estas contradições, através da luta política concreta, que avanços e conquistas se projetam no campo legal.

Se a propriedade privada resistir a mais essa abominação e não for expropriada e confiscada, teremos mais uma prova da finalidade real do direito e, sobretudo, do pecado original apontado por Pachukanis há quase cem anos.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo