Mundo

EUA adverte Maduro que ‘tomará medidas’ se descumprir acordo com oposição

Supremo venezuelano suspendeu todos os efeitos das diferentes fases do processo eleitoral

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela. Foto: Prensa Presidencial
Apoie Siga-nos no

Os Estados Unidos “vão tomar medidas” se o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, descumprir o acordo alcançado com a oposição, afirmou, nesta segunda-feira 30, um porta-voz do Departamento de Estado depois que a Corte Suprema da Venezuela suspendeu “todos os efeitos” das primárias da oposição.

“O governo dos Estados Unidos tomará medidas se Maduro e seus representantes não cumprirem seus compromissos do roteiro eleitoral” com vistas às eleições presidenciais de 2024, declarou o porta-voz à imprensa.

“Instamos Nicolás Maduro e seus representantes a manterem os compromissos, que assumiram na assinatura do acordo do roteiro político em Barbados”, onde governo e oposição acordaram que as próximas eleições presidenciais serão realizadas no segundo semestre de 2024 com a presença de observadores internacionais.

Este acordo já deixou no ar o tema das inabilitações políticas que afetam, entre outros, a liberal María Corina Machado, que venceu as primárias de 22 de outubro com 92% dos votos.

As primárias “foram um marco importante para o progresso da Venezuela para uma campanha presidencial livre, justa e competitiva em 2024”, afirmou o porta-voz do Departamento de Estado.

Mas as primárias sofreram um golpe nesta segunda, quando a Sala Eleitoral do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), de viés governista, suspendeu todos os efeitos das diferentes fases do processo eleitoral conduzido pela ‘comissão nacional das primárias’.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.