Mundo

Casa Branca diz que não há ‘genocídio’ em Gaza

Conselheiro insistiu que a responsabilidade pela paz recai sobre o grupo islamista palestino Hamas

Uma coluna de fumaça em Rafah, último refúgio palestino na Faixa de Gaza. Foto: AFP
Apoie Siga-nos no

Os Estados Unidos não acreditam que haja um genocídio em Gaza, mas consideram que Israel deve fazer mais para proteger os civis palestinos, disse, nesta segunda-feira 13, o conselheiro de Segurança Nacional do presidente Joe Biden.

Enquanto as conversações de cessar-fogo estão paralisadas e Israel continua a atacar a cidade de Rafah, no extremo sul do território palestino, o conselheiro Jake Sullivan insistiu que a responsabilidade pela paz recai sobre o grupo islamista palestino Hamas.

“Acreditamos que Israel pode e deve fazer mais para garantir a proteção e o bem-estar dos civis inocentes. Não acreditamos que o que está acontecendo em Gaza seja um genocídio”, afirmou Sullivan a jornalistas.

Para chegar a essa avaliação, os Estados Unidos estavam “usando o termo internacionalmente aceito para genocídio, que inclui um foco na intenção”, acrescentou o funcionário.

Segundo Sullivan, Biden queria ver o Hamas derrotado, mas percebeu que os civis palestinos estavam no “inferno”.

O conselheiro de Segurança Nacional disse que suas declarações têm como objetivo “dar um passo atrás” e expor a posição da administração Biden sobre o conflito, em meio a críticas de ambos os lados do espectro político americano.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo