Justiça

Ministro do TCU pede vista e interrompe julgamento sobre irregularidades no FNDE sob Bolsonaro

O fundo é responsável por colocar em prática a maior parte dos programas de educação básica do país

Créditos: Divulgação
Apoie Siga-nos no

O ministro Jhonatan de Jesus, do Tribunal de Contas da União, pediu vista e interrompeu um julgamento na Corte que mira irregularidades na aplicação de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, o FNDE, sob a gestão de Jair Bolsonaro. A análise da representação não tem data prevista para ser retomada.

Relator do caso, o ministro Walton Alencar apresentou voto favorável para abrir procedimento de investigação sobre o caso nesta quarta-feira 12. O magistrado ainda levantou o sigilo do caso e determinou ao FNDE a adoção de “critérios de transparência” para a destinação dos recursos.

No seu voto, Alencar também defendeu suspender os termos de compromisso com cláusula suspensiva firmados pelo FNDE com as prefeituras entre 2020 e 2022. A medida foi utilizada durante o governo Bolsonaro para liberar emendas em troca de apoio no Congresso.

Essa modalidade garante o empenho do recurso de forma provisória sem a liberação ser chancelada pela área técnica do órgão. O Fundo é responsável por colocar em prática a maior parte dos programas de educação básica do país — como os de transporte escolar, merendas e compras de livros didáticos nas escolas públicas.

“Essa prática comprova absoluto descaso com resoluções, a ponto de ter o TCU comprovado que, se fossem executados todos os compromissos com aprovação condicional, aprovados pelo Ministério da Educação juntamente com o FNDE, seria necessário 14 orçamentos do FNDE simplesmente para adimplir esses compromissos que o MEC firmou no sentido de obras de creches e outras questões”, afirmou.

As denúncias sobre irregularidades no FNDE chegaram à Corte de Contas através dos deputados federais Bira do Pindaré (PSB-MA), Luciene Cavalcante (PSOL-SP), Lídice da Mata (PSB-BA), entre outros.

Nas representações enviadas ao TCU, os parlamentares citam denúncias de corrupção dentro no Ministério da Educação, à época sob comando do ministro Milton Rodrigues, e argumentaram que a destinação das verbas não seguiam padrões técnicos.

Os deputados ainda pediram abertura de investigação contra Rodrigues, Bolsonaro e outros ministros por improbidade administrativa.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.