Economia

Copom divulga ata de reunião que cortou 0,5 ponto da Selic; leia a íntegra

Essa foi a primeira participação de Gabriel Galípolo e Ailton de Aquino, indicados do governo Lula, em uma reunião do grupo

Brasília, 02/08/2023 - Reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil. Foto: Raphael Ribeiro/BCB
Apoie Siga-nos no

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central divulgou, nesta terça-feira 8, a ata oficial da reunião que decidiu cortar a taxa básica de juros (Selic) em 0,5%. O encontro ocorreu na semana passada e fixou a taxa em 13,25%.

Naquela ocasião, cinco diretores do Copom votaram pela redução de 0,5 ponto percentual. Essa foi a primeira participação dos indicados do governo Lula – Gabriel Galípolo e Ailton de Aquino – em uma reunião do grupo. Eles votaram pela queda de 0,5%, assim como Roberto Campos Neto, Carolina de Assis Barros e Otávio Ribeiro Damaso. Outros quatro diretores votaram pela queda de apenas 0,25.

O impasse está registrado na ata:

“Um grupo defendeu uma redução da taxa de juros mais parcimoniosa. Para esse grupo, a própria sinalização do Comitê já enfatizava a cautela e a parcimônia em tal conjuntura e, na opinião desses membros, não se observaram alterações relevantes no cenário ou projeções do Comitê que justificassem uma reavaliação dessa sinalização”, anota o BC sobre os defensores de uma queda menor, que foram voto vencido.

“Outro grupo considerou que a postura de política monetária em patamar significativamente contracionista permite um início do ciclo já no ritmo moderado considerado para as próximas reuniões, sem detrimento do comprometimento com a meta e a credibilidade da política monetária”, destaca a ata.

“Esse grupo enfatizou alguns desenvolvimentos desde a última reunião, como a dinâmica recente de inflação mais benigna do que era esperado, a reancoragem parcial relativamente célere após a definição da meta pelo CMN e a adequação de recalibrar a taxa de juros real em função dos movimentos nas expectativas de inflação”, explica em seguida.

Após a reunião, um comunicado do BC já havia sinalizado a projeção de que, nos próximos encontros do Copom, novos cortes poderiam ser feitos. A ata divulgada nesta terça confirma a posição, mas reforça que o ritmo de queda em 0,5 ponto percentual deve ser mantido.

“Com relação aos próximos passos, os membros do Comitê concordaram unanimemente com a expectativa de cortes de 0,50 ponto percentual nas próximas reuniões e avaliaram que esse é o ritmo apropriado para manter a política monetária contracionista necessária para o processo desinflacionário”, diz o texto desta terça.

Em outro trecho, o texto reforça que o Copom julga ‘pouco provável’ uma intensificação no ritmo de cortes porque isso ‘exigiria surpresas positivas substanciais’.

Na ata, o grupo ainda alerta que, para se manter o ritmo de cortes, será preciso “evolução da dinâmica inflacionária, em especial dos componentes mais sensíveis à política monetária e à atividade econômica, das expectativas de inflação, em particular as de maior prazo, de suas projeções de inflação, do hiato do produto e do balanço de riscos.”

Leia a íntegra da ata da reunião do Copom:

Copom256-not20230802256

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo