Política

Reconstrução de rodovias federais no RS custará mais de R$ 1 bilhão, diz ministro

Renan Filho (MDB), dos Transportes, se reuniu com parlamentares na Assembleia Legislativa do estado

Vista aérea de Porto Alegre (RS), em 6 de maio de 2024. Foto: Carlos Fabal/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro dos Transportes, Renan Filho (MDB), afirmou nesta segunda-feira 6 que a reconstrução dos trechos de rodovias federais destruídos pelas chuvas no Rio Grande do Sul deverá custar mais de 1 bilhão de reais.

Segundo o emedebista, uma medida provisória a ser editada pelo presidente Lula (PT) concederá crédito orçamentário extraordinário a fim de destinar recursos federais ao custeio de despesas resultantes da catástrofe climática.

Renan Filho participou de uma reunião na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.

Precisaremos da ajuda decisiva da bancada do estado, dos deputados e dos senadores”, disse o ministro, em referência à importância de emendas parlamentares para as obras de restauração da infraestrutura no estado e à aprovação de medidas legais que acelerem a transferência do dinheiro para o Rio Grande do Sul.

Segundo ele, o ministério tem um volume de investimentos “considerável” para o estado, mas não seria capaz de executar simultaneamente as obras em andamento e o restabelecimento das rodovias federais.

Esse tipo de intervenção é assistencial, para garantir o abastecimento das cidades e o resgate de pessoas. É o que estamos chamando de caminhos assistenciais.”

(Com informações da Agência Brasil)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo