CartaExpressa

cadastre-se e leia

Crise no RS reforça necessidade de enfrentar a mudança climática e as fake news, diz Padilha

Em evento de CartaCapital, o ministro afirmou que mesmo uma sociedade polarizada como a brasileira tem de se unir em um momento de calamidade

O ministro Alexandre Padilha em evento de CartaCapital, em Brasília, em 14 de maio de 2024. Foto: Divulgação/CartaCapital
Apoie Siga-nos no

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha (PT), disse “abominar” a divulgação de fake news sobre a calamidade pública no Rio Grande do Sul e defendeu a necessidade de combater a nova onda de mentiras nas plataformas digitais.

A declaração foi proferida em entrevista à reportagem na terça-feira 14, em Brasília, antes da primeira rodada de um ciclo de debates promovido por CartaCapital para celebrar seus 30 anos.

“Abomino quem se utiliza de um instrumento tão importante quanto as redes sociais para destilar o ódio e a mentira e colocar a população contra servidores, voluntários e governos que atuam para apoiar o povo gaúcho”, disse Padilha. “Essas pessoas já deveriam ter aprendido como as fake news mataram centenas de milhares na pandemia e hoje atrapalham a atuação dos servidores e da própria população.”

Potenciais consequências da desinformação, segundo o ministro, são o impacto nas doações e o derespeito a autoridades locais.

“A situação reforça a necessidade de dois temas centrais para o País: o tema de como enfrentar as mudanças climáticas e o debate de combater as fake news“, prosseguiu. “As pessoas não podem achar que crimes no mundo real estão liberados no mundo digital.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar