Política

Deputado do PT apresenta PL que tira da meta fiscal gastos para prevenção de desastres naturais

‘Estamos garantindo que o governo tenha flexibilidade financeira para tomar medidas eficazes de proteção ambiental’, diz

O deputado Lindbergh Farias – Imagem: Zeca Ribeiro/Ag. Câmara
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Lindbergh Farias (PT-RJ) apresentou o projeto de lei complementar para retirar da meta fiscal os gastos para prevenção de desastres naturais e mitigação das mudanças climáticas.

“Nós precisamos de uma política estruturada de prevenção dos eventos climáticos extremos e não se faz isso sem orçamento”, justifica o parlamentar.

“Investir em medidas de prevenção, mitigação e adaptação é fundamental para proteger vidas, reduzir danos, fortalecer a resiliência das comunidades e promover o desenvolvimento sustentável do país”, completa Lindbergh.

O parlamentar justifica ainda que o orçamento para prevenção e atendimento de desastres era de 11,4 bilhões de reais em 2013. Já o orçamento de 2023, o último feito pelo governo de Jair Bolsonaro (PL), teve 1,1 bilhão de reais para essa área.

“Ou seja, aumentaram os eventos climáticos extremos e o orçamento ficou cada vez menor. Não faz nenhum sentido”, questiona.

A Câmara e o Senado já aprovaram um decreto do presidente Lula (PT) que retira do cálculo da meta fiscal os recursos para unidades da federação em estado de calamidade pública, como o Rio Grande do Sul agora.

O Congresso também aprovou o projeto de lei complementar que suspende o pagamento da dívida do Rio Grande do Sul por 36 meses.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo