Política

Wajngarten x Tebet: a instabilidade na base de Ricardo Nunes em São Paulo

A ministra não deseja dividir o palanque com Jair Bolsonaro na eleição

Créditos: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ex-secretário de Comunicação Social Fabio Wajngarten, advogado de Jair Bolsonaro (PL), disparou contra a ministra do Planejamento, Simone Tebet (MDB), devido a comentários sobre a eleição em São Paulo. Os três são, em teoria, aliados do prefeito Ricardo Nunes (MDB).

Wajngarten compartilhou nas redes sociais a notícia de que Tebet, apesar de apoiar Nunes, não deseja dividir o palanque com Bolsonaro. “Como uma ‘sem votos’ atrapalha uma eleição ganha. Sequer é de SP. Não ajuda em NADA. Quer o Boulos?”, escreveu.

Tebet afirmou não ter motivos para não apoiar Nunes em sua tentativa de reeleição, apesar de o emedebista ter firmado uma aliança com Bolsonaro. Ela, porém, não pretende dividir o espaço com o ex-presidente em comícios.

Em entrevista à CNN Brasil exibida na noite do sábado 30, a ministra disse que pode subir no palanque quando Bolsonaro não estiver. “A gente pode ir em dias diferentes”, sugeriu.

“Até agora, o Ricardo Nunes não me deu nenhum motivo para não apoiá-lo. Obviamente que nós vamos ver qual é a plataforma de governo dele. Mas se ele continuar defendendo a democracia e os valores com os quais eu comungo?”, declarou.

“O que eu me recuso é subir em um palanque de bolsonarista. Eu jamais vou estar no palanque de um candidato que tem pautas que representam um retrocesso, em questões como o armamento, o desmatamento ambiental, na pauta de costumes ou contra a democracia.”

Nunes e o deputado federal Guilherme Boulos (PSOL) estão tecnicamente empatados na disputa pela prefeitura da capital paulista, segundo uma pesquisa Datafolha divulgada em 11 de março.

Boulos aparece com 30% das intenções de voto, ante 29% de Nunes. Os dois mantêm uma distância confortável dos demais pré-candidatos. Quem aparece mais perto é Tabata Amaral (PSB), com 8%. Depois vêm Marina Helena (Novo), com 7%; Kim Kataguiri (União Brasil), com 4%; e Altino (PSTU), com 2%.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo