CartaExpressa

TRE manda plataformas derrubarem posts de Boulos contra Nunes

Pré-campanha de Boulos afirmou que vai recorrer da decisão

Deputado federal Guilherme Boulos (PSOL). Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo determinou na última terça-feira 14 que a Meta, empresa dona do Instagram e Facebook, retire do ar publicações do deputado federal Guilherme Boulos (PSOL-SP) denunciando o que chamou de “pedalada” do prefeito da capital paulista, Ricardo Nunes (MDB).

Boulos, que é pré-candidato à prefeitura de São Paulo, disse nos posts que Nunes “usou R$ 3,5 bilhões da educação para outros fins” e “pode ficar inelegível”. O juiz Paulo Eduardo de Almeida Sorci deu 48h do recebimento da comunicação para a remoção.

Caso as plataformas ainda não o tenham feito, sob pena de multa diária de 1 mil reais.

“Não restam dúvidas quanto à presença do “periculum in mora” [risco de decisão tardia], pois a permanência das imagens na rede pode macular a paridade entre os possíveis candidatos ao pleito vindouro”, disse a decisão.

A pré-campanha de Boulos afirmou que vai recorrer da decisão, já que o caso foi levantado ao Tribunal de Contas do Município, e já está no Ministério Público de São Paulo.

“Recorrerá da liminar que proíbe a divulgação dessa grave notícia de negligência com a educação, que compromete o futuro de milhares de estudantes da rede municipal de ensino e que é crime previsto na nossa legislação”, disso em nota.

Além disso, o PT, da sua pré-candidata à vice, Marta Suplicy, deve ir ao Supremo Tribunal Federal para tentar reverter a decisão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.