Política

Prestes a ser preso, Roberto Jefferson fere dois agentes em investida armada contra a Polícia Federal

A PF cumpria uma decisão para que ele retorne ao regime fechado, após a veiculação de novos vídeos com ataques ao processo eleitoral e a ministros do TSE

O ex-deputado federal Roberto Jefferson. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB) atirou contra agentes Polícia Federal que foram até sua casa, no Rio de Janeiro, para cumprir uma ordem judicial na tarde deste domingo 23. 

Os agentes cumpriam uma decisão para que ele retorne ao regime fechado, após a veiculação de novos vídeos com ataques ao processo eleitoral e a ministros das cortes superiores.

Segundo informações da Polícia Federal, Jefferson deu dois tiros de fuzil e lançou 3 granadas em direção aos agentes. Dois policiais ficaram feridos na ação, sem gravidade: uma agente foi alvejada de raspão na cabeça e na perna. E o delegado Marcelo Vilela teria sido atingido por estilhaços na cabeça.

Em vídeos publicados nas redes sociais, Jefferson afirma ter reagido com tiros à ação de agentes. “Não atirei em cima deles, atirei perto. Não atirei em ninguém para pegar, atirei no carro, perto deles”, declarou o ex-parlamentar, que atualmente cumpre prisão domiciliar.

Outro vídeo gravado pelo próprio Jefferson mostra policiais federais aparecem à frente da casa. Um veículo da PF aparece com trincas no vidro da frente, parecendo ter sido atingido por um disparo. A troca de tiros, porém, não aparece.

A decisão que autorizou a prisão domiciliar de Jefferson, impedia o uso das redes sociais pelo ex-deputado federal. Na sexta-feira 21, contudo, o ex-deputado federal publicou um vídeo no qual ataca a ministra da Corte Eleitoral, Cármen Lúcia com termos machistas e misóginos.

Após a divulgação, o Supremo Tribunal Federal recebeu uma série de pedidos para revogar a prisão domiciliar de Roberto Jefferson. 

Ele estava impedido de usar as redes sociais por decisão do STF, mas utilizou os perfis da sua filha para publicar o vídeo. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo