Mundo

Na COP28, Lula volta a criticar membros da ONU que ‘lucram com guerra’

Presidente brasileiro também questionou a falta de preocupação dos países ricos com o volume de emissão de carbono com mísseis de guerra

Lula na COP28. Foto: Giuseppe CACACE / AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) tornou a criticar os países membros do Conselho de Segurança da ONU por não permitirem que acordos de paz avancem no colegiado.

A declaração feita durante a participação de Lula na COP 28, em Dubai, nesta sexta-feira 1, não cita nominalmente nenhuma nação integrante da ONU, mas ocorre poucas semanas após os Estados Unidos vetarem uma proposta do Brasil para o cessar-fogo em Gaza.

Segundo o petista, a dificuldade de se chegar a um acordo de paz via ONU esbarraria em interesses econômicos.

“É inexplicável que a ONU, apesar de seus esforços, se mostre incapaz de manter a paz, simplesmente porque alguns dos seus membros lucram com a guerra”, criticou Lula.

O brasileiro relacionou, ainda, o avanço de conflitos como os que ocorrem em Gaza com o aumento da crise climática atual.

“Quantas toneladas de carbono são emitidas pelos mísseis que cruzam o céu e desabam sobre civis inocentes, sobretudo crianças e mulheres famintas?”, questionou na sua apresentação.

Também direcionando os termos do seu discurso aos países ricos, Lula cobrou maior ‘crença no multilateralismo’. A declaração foi dada logo após o presidente lamentar o não cumprimento de acordos como o Acordo de Paris e o Protocolo de Kyoto.

“O não cumprimento dos compromissos assumidos corrói a credibilidade do regime. É preciso resgatar a crença no multilateralismo”, destacou Lula.

Por fim, o brasileiro cobrou, ainda, que estas nações tomem ‘atitudes concretas’ após esta nova edição da COP porque “o planeta está farto de acordos climáticos não cumpridos e de metas de redução de emissão de carbono negligenciadas”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.