CartaExpressa

FMI e Milei chegam a acordo para liberação de US$ 800 mi para a Argentina

Organismo destacou pontos que considerou positivo do forte ajuste fiscal do governo argentino

O presidente da Argentina, Javier Milei, no Fórum Econômico Mundial. Foto: Fabrice COFFRINI/AFP
Apoie Siga-nos no

O governo da Argentina e o Fundo Monetário Internacional (FMI) chegaram a um novo acordo. Nesta segunda-feira 13, o FMI anunciou a oitava revisão nos termos originais do acordo, fechado ainda no governo do ex-presidente Mauricio Macri.

Em nota, o órgão confirmou que o novo acordo poderá liberar cerca de 800 milhões de dólares para o país governado por Javier Milei

O montante é especialmente importante para as contas do governo, que desde o início do ano vem promovendo sucessivas compras da moeda norte-americana, como forma de acumular reservas.

No documento de hoje, o FMI elogiou o plano de ajuste fiscal implementado por Milei desde que chegou à presidência do país vizinho, em dezembro do ano passado.

“Apesar de herdar uma situação econômica e social altamente complexa, a implementação firme do plano de estabilização […] permitiu que o progresso fosse alcançado mais rapidamente do que o esperado”, diz um trecho da nota técnica.

O montante a ser liberado ainda precisa ser ratificado pelo Diretório Executivo do FMI, o que deve ocorrer em breve. Esse é o segundo acordo técnico – que envolve a liberação de mais recursos – desde que Milei chegou à presidência.

O forte ajuste fiscal, por outro lado, também vem gerando um enxugamento do aparelho estatal argentino, com demissões em massa de funcionários públicos e fechamentos de órgãos estatais.

Além disso, parte do plano econômico de Milei envolve a liberação de preços na Argentina, o que vem promovendo, desde o início do ano, um freio na atividade econômica do país, a exemplo do comércio.

A entidade, por sua vez, considera que as autoridades argentinas “realizaram esforços significativos para ampliar a assistência social às mães e crianças vulneráveis, bem como proteger o poder aquisitivo das aposentadorias”.

Desde um ponto de vista economicamente ortodoxo, o governo passou a cumprir as metas demandadas pelo FMI. Uma delas é a busca por superávit fiscal, o que foi obtido por Milei no primeiro trimestre deste ano.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar